Hospitais de Cássia e Pratápolis recebem medicamentos do kit intubação da SES-MG

24 de Maio de 2021

Cássia e Pratápolis devem receber medicamentos utilizados para entubação de pacientes com o novo coronavírus. / Foto: Divulgação

BELO HORIZONTE – O Hospital Municipal Tereza Nunes, de Pratápolis, e o Instituto São Vicente Paulo, de Cássia, devem receber medicamentos do chamado kit intubação. Segundo informações do governo estadual, a Secretaria de Estado de Minas Gerais (SES-MG) disponibilizou, desde a última sexta-feira, 120.135 unidades de fentanil cisatracúrio e atracúrio para 127 unidades hospitalares, em 97 cidades. Os insumos são direcionados às instituições que se encontram com níveis considerados críticos de disponibilidade dos medicamentos.


O que você também vai ler neste artigo: 

  • Cenário 
  • Monitoramento 

Os Itens são essenciais para a sedação dos pacientes em tratamento da covid-19, sendo que o fentanil foi adquirido pelo Governo de Minas e o cisatracúrio e o atracúrio, pela União. O fentanil é suficiente para uma cobertura de 15 dias e, os demais, para três.

Segundo o diretor de Medicamentos Básicos da SES-MG, Jans Bastos Izidoro, a situação dos estoques de sedativos no estado ainda é crítica, apesar de observadas melhoras em relação a cenários anteriores. “A Secretaria alerta que o cenário ainda não é confortável e todas as medidas de gestão continuam a ser  executadas”, afirma.


Monitoramento

A SES-MG, juntamente com o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Minas Gerais (Cosems-MG), faz um levantamento periódico dos quantitativos dos prestadores e fornecedores de medicamentos e insumos das unidades hospitalares. Também é monitorado o abastecimento de medicamentos nas redes públicas e privadas de assistência médico-hospitalar, que devem informar regularmente à SES-MG sobre estoques disponíveis de medicamentos e insumos.

O monitoramento é feito a partir da autodeclaração e preenchimento de formulário. Assim que cada remessa chega ao estado, o resultado do monitoramento semanal é analisado para distribuição aos hospitais em situação mais crítica e conforme disponibilidade do estoque. A sugestão de distribuição é validada junto a uma comissão da SES-MG e do Cosems-MG.


Cenário

Em Minas Gerais, até a última sexta-feira, 21, não havia registro de falta persistente de medicamentos para o kit intubação nas regiões de saúde que gerasse prejuízo à assistência.

É importante ressaltar que os estoques são muito dinâmicos, e a rede assistencial do Estado tem conseguido atender à demanda. Apesar de estoques restritos em muitas unidades, não há colapso instalado registrado em nenhuma”, pontua o diretor. Tal cenário se dá devido a algumas medidas tomadas pela SES-MG, como a distribuição – entre 7/7/2020 e 17/5/2021 – de mais de 997 mil medicamentos para os hospitais em atendimento à covid-19.

A partir do monitoramento, o Governo de Minas Gerais tem realizado a reposição de medicamentos de forma estratégica, mediante análise de dados, como fluxo de pacientes e disponibilidade de sedativos. Os hospitais também têm contato com a Rede Solidária, que permite o remanejamento de insumos entre as instituições que observam aumento no consumo de sedativos.