Fim do DPVAT é nova etapa do ‘complexo’ de Bolsonaro com o trânsito

31 de outubro de 2019

<div id="infocoweb"><div id="infocoweb_cabecalho"><a target="_blank" href="https://www.ig.com.br/"><img src="https://gestor.infocoweb.com.br/images/logo_ig.png" alt="source"></a></div><div id="infocoweb_corpo"><p id="selo-agencia"> <img src="https://i0.statig.com.br/selos-agencias/istoe.jpg" alt="IstoÉ" /> </p> <div class="gd12"> <figure class="foto-legenda undefined"> <span> <img src="https://statig2.akamaized.net/bancodeimagens/4k/in/6i/4kin6idbfrpkardyhxd869gpz.jpg" title="Depois de atacar algumas das leis de trânsito, presidente pretende acabar com o seguro" alt="Bolsonaro" /> </span> <title>arrow-options</title> <figcaption class="undefined"> <cite>Valter Campanato/Agência Brasil</cite> <div class="undefined">Depois de atacar algumas das leis de trânsito, presidente pretende acabar com o seguro</div> </figcaption> </figure> </div> <p class="">O presidente Jair Bolsonaro parece ter algum trauma com o hábito de dirigir. Após propor o fim da obrigatoriedade da cadeirinha veicular, sugerir CNH com até 40 pontos de infrações e defender a retirada de radares das estradas, ele agora tenta extinguir o DPVAT com uma medida provisória assinada na terça feira (12). </p> <p class="">O tributo é pago anualmente junto com o IPVA e funciona como seguro público que oferece cobertura em casos de morte, invalidez e despesas médicas decorrentes de acidentes. Em 2019, o valor pago foi de R$ 16,21 para carros particulares e R$ 84,58 para motos. </p> <p class="">O imposto rendia recursos ao SUS, que recebeu R$ 33 bilhões nos últimos 11 anos, e era acionado anualmente, em média, por 460 mil pessoas. Entre as especulações que ajudam a entender a atitude do presidente, está o fato de uma empresa de Luciano Bivar, seu desafeto no PSL nos últimos meses, ter uma empresa que faz parte do consórcio que opera o DPVAT: a seguradora Excelsior. </p> <p class="">Assim como outras MPs, essa também será submetida a aprovação da Câmara e do Senado, e é provável que não passe devido aos substanciais recursos que o DPVAT rende ao SUS.</p> <h3> <strong>STREAMMING</strong> </h3> <p> <strong>A Disney como ela é <img class="aligncenter size-full wp-image-1045176" src="https://cdn-istoe-ssl.akamaized.net/wp-content/uploads/sites/14/2019/11/45-2.jpg" alt="" width="1024" height="576" /> </strong> </p> <p>O lançamento da plataforma de streamming Disney+, com grandes aspirações no mercado audiovisual, veio com uma interessante revisão no conteúdo produzido pela gigante do entretenimento. Algumas animações mais antigas da empresa, como "Dumbo"(foto), "Fantasia" e "A Dama e o Vagabundo", são acompanhadas do aviso "esse programa é exibido como foi criado originalmente. Pode conter representações culturais ultrapassadas". O alerta faz referência a adaptações preconceituosas, como a dos corvos de Dumbo, inspirados de forma racista e estereotipada nos grupos afro-americanos.</p> <h3> <strong>CRIME</strong> </h3> <p> <strong>A quadrilha brasileira <img class="aligncenter size-full wp-image-1045175" src="https://cdn-istoe-ssl.akamaized.net/wp-content/uploads/sites/14/2019/11/44-2.jpg" alt="" width="1024" height="576" /> </strong> </p> <p>Três brasileiros foram presos e condenados em Londres por comandarem um colossal esquema de prostituição, escravidão, segurança ilegal e venda de drogas. Flavia Xavier Sacchi, Renato Dimitrov Sacchi (centro) e Raul Sacchi são acusados pela Scotland Yard, a polícia metropolitana da capital britânica, de empregarem ao menos outros cinco brasileiros e arrecadarem milhões de libras por ano com a quadrilha. A cereja do bolo fica por conta dos hábitos dos brasileiros nas redes sociais. Por meio delas, ostentavam um estilo de vida luxuoso, exibindo joias e carros de alto padrão. O mais curioso é que os criminosos usavam suas contas para criticar duramente a corrupção no Brasil, compartilhando conteúdos em defesa de operações da Polícia Federal e do Exército Brasileiro – como se fossem legítimos "cidadãos de bem".</p> <h3> <strong>NORDESTE</strong> </h3> <p> <strong>Peixes próprios para consumo</strong> </p> <figure class="wp-caption aligncenter"> <img class="aligncenter size-full wp-image-1045173" src="https://cdn-istoe-ssl.akamaized.net/wp-content/uploads/sites/14/2019/11/42-2.jpg" alt="" width="1024" height="576" /> <figcaption class="wp-caption-text">Divulgação</figcaption> </figure> <p>O ministério da Agricultura, em parceria com a PUC do rio de janeiro, divulgou o resultado de testes feitos em pescados coletados em quatro estados nordestinos afetados pelo vazamento de óleo. Segundo o levantamento, os peixes e lagostas avaliados podem ser consumidos sem riscos à saúde, pois apresentam baixo teor de hidrocarbonetos. A notícia é boa, visto que havia o temor de que as aparições contínuas de petróleo no litoral afetassem os pescadores e a economia do local.</p> <h3> <strong>NEGÓCIOS</strong> </h3> <p> <strong>A erva feminina</strong> </p> <figure class="wp-caption aligncenter"> <img class="aligncenter size-full wp-image-1045177" src="https://cdn-istoe-ssl.akamaized.net/wp-content/uploads/sites/14/2019/11/46-2.jpg" alt="" width="1024" height="576" /> <figcaption class="wp-caption-text">Divulgação</figcaption> </figure> <p>A empresária brasileira Viviane Sedola (foto) foi eleita pela revista americana "High Times" uma das 50 mulheres mais influentes no mercado de cannabis em todo o mundo. Viviane fundou em 2018 a plataforma "Dr. Cannabis", que auxilia pacientes a terem contato com médicos que oferecem medicamentos e tratamentos com maconha medicinal, além <br /> de fornecer suporte para os que precisam obter liberação na Anvisa para a compra e consumo desses remédios. Os casos que mais se beneficiam da plataforma são o tratamento de crianças com autismo e mulheres com forte síndrome pré-menstrual.</p> <h3> <strong>EDUCAÇÃO</strong> </h3> <p> <strong>Os negros e as universidades públicas</strong> </p> <figure class="wp-caption aligncenter"> <img class="aligncenter size-full wp-image-1045174" src="https://cdn-istoe-ssl.akamaized.net/wp-content/uploads/sites/14/2019/11/43-2.jpg" alt="" width="1024" height="576" /> <figcaption class="wp-caption-text">FG Trade</figcaption> </figure> <p>O IBGE divulgou que negros (pretos e pardos) são maioria no ensino público do Brasil. Segundo o instituto, eles ocupam 50,3% das vagas disponíveis nos cursos de universidades federais e estaduais. Apesar disso, a comunidade negra não recebeu a notícia de forma acalorada. Muitos temem que o número seja inflado pela alta incidência de fraudes nos processos de cota, com brancos se autodeclarando pardos para concorrerem a vagas destinadas às classes menos privilegiadas. Além disso, o estudo <br /> não indica em quais cursos essas pessoas estão matriculadas, não oferecendo, por exemplo, o índice de quantos estão em carreiras como Direito e Medicina.</p></div><div id="infocoweb_rodape">Fonte: <a target="_blank" href="http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2019-11-15/fim-do-dpvat-e-nova-etapa-do-complexo-de-bolsonaro-com-o-transito.html">IG Política</a></div></div>