Do Leitor: Militares no poder

14 de fevereiro de 2020

Desde época da ditadura, que não tínhamos no comando do ministério da Casa Civil, um general. O último foi o general Golbery do Couto e Silva, que se demitiu em 1981. E Jair Bolsonaro, reforçando seu governo com militares em posições estratégicas (nada contra) agora, deve entregar esse importante posto ao Chefe do Estado Maior do Exército, general Walter Braga Netto, em substituição ao inoperante Onyx Lorenzoni. Se Braga Netto, for tão eficiente quanto foi como interventor federal na segurança do Rio, no governo Temer, que, prendeu dezenas de milicianos, policiais envolvidos no crime, etc. E ainda, com R$ 1 bilhão de verba que conseguiu na época, do Planalto, da sucateada e mal preparada polícia, reformou delegacias, comprou veículos, armamento, fortaleceu o setor de pericia, etc. E que graças a essa competente intervenção, é que os crimes violentos, assaltos a caminhões de cargas, etc., vem diminuindo no Rio de Janeiro. Portanto, até prova em contrário, é um ótimo nome para até aqui desprestigiada Casa Civil. Boa sorte General…

Paulo Panossian – São Carlos/SP

Presidencialismo

Narrar, através da história, sobre os políticos brasileiros é ruborizar-se de vergonha. Nos governantes do país não se encontra quase nenhum idealista. Getúlio Vargas, sentindo o peso dos oposicionistas – traidores –, resolveu sair do caminho democrático e deu no que deu. Jânio Quadros, com seu discurso rígido, acabou defenestrado sem justificar seu comportamento. Mirando o túnel do tempo, o passado nos conta a triste perseguição a Rui Barbosa, evitando sua vitória ao Palácio do Catete – mostrou-se grande nacionalista de ideal ao crescimento do Brasil –, quando da inauguração da República. JK, com aprovação dos militares – alguns –, conseguiu confirmar seu mandato com a promessa de fazer o Brasil crescer 50 anos em cinco. Cumpriu a promessa. Com seu trinômio e construindo a capital federal, deu condições de vida melhores a milhões de ‘candangos’. Muitas pessoas tiveram crescimento econômico jamais sonhado. Agora, com a promessa de acabar com os maus brasileiros, o atual presidente está conseguindo, mas a duras penas. Portando, a história do Brasil parece filme de Alfred Hitchcock, pois é um terror!

Hernani José de Castro