Do leitor: Fúria das águas

1 de fevereiro de 2020

Fúria das águas

Ó águas dos rios, lagos e oceanos. Ó águas resultantes da transpiração das plantas. Vós fostes pelo Sol aquecidas, evaporam, passaram do estado líquido para o gasoso. Suspensas na atmosfera, transformaram- -se em gelo. As nuvens ficam pesadas e vós pegastes o caminho de volta. O gelo veio se derretendo e as gotas se uniram e ao chegar no solo, foi apavorante. Quanta fúria! Cidades foram destruídas. Houve gente que perdeu tudo. Houve gente que perdeu a vida. Ó águas que sobem e depois descem. Estamos apavorados. Tende piedade de nós. Nós vamos consertar o que fizemos de errado. Nós estamos contribuindo para o aquecimento global. Nós estamos destruindo o nosso verde. Há lugares em que a chuva faz estragos e há outros em que se morre de sede. Ó destruidores da natureza, o que será de nós?

PIB da China

Os mercados estão assustados com a propagação do coronavírus, que na China, em pânico, já fez 106 vitimas e mais 4.515 pessoas infectadas. E que também já chegou a 13 países. Além de grandes prejuízos na atividade econômica, quase paralisada em boa parte do País. E como indica o editorial do Jornal Valor Econômico, especialistas já falam em uma possível queda do PIB chinês, de 1,2% neste ano, e global menos 0,5% em função deste vírus. E que na época do surto do Sars (2002/2003) que matou 900 pessoas, o PIB chinês despencou 2%. Essa é a grande preocupação do mercado, já que, a segunda maior economia do mundo, nestes últimos anos deixou de ter PIBs espetaculares de dois dígitos. Já que, em 2019, fechou com crescimento de 6,1%, ou PIB de US$ 13,1 trilhões (seis vezes maior que o do Brasil). Porém, com uma vantagem que neste período de alta bonança econômica, a China conseguiu formar uma robusta classe média de 450 milhões de pessoas. Que hoje, o seu consumo interno já garante 76,2% do PIB e as exportações alcançam outros 32,4%. Item esse que já teve maior participação… O que se espera, é que esse surto do coronavirus seja combatido com eficiência, evitando mais vitimas, e instabilidade econômica…

 

Política pessoal 

Se o governo está dependendo do Congresso Nacional para aprovar o fim dos privilégios políticos, como os já famosos “penduricalhos”, pode esquecer, daquela cambada de malfeitores nada sairá que possa beneficiar o povo. Lá só se faz política pessoal, eles lutam desesperadamente desde o dia de sua posse pela reeleição. Se, por acaso, a chuvarada que está caindo em Minas Gerais fosse desviada para o Congresso Nacional, creiam, prezados leitores, o Brasil não perderia absolutamente nada.