Do Leitor: Dá o que pensar

28 de fevereiro de 2020

Jânio Quadros foi eleito presidente da República por um partido pequeno, o PDC. Sua principal promessa de campanha foi o combate à corrupção. Com sete meses de mandato renunciou ao cargo. A população não lhe deu o apoio que tanto almejava.

Fernando Color de Melo foi eleito por um partido pequeno, o PRN. Sua principal promessa de campanha era o combate aos marajás. Pediu para a população sair às ruas com bandeiras verde e amarelas. O povo foi às ruas com bandeiras pretas. Renunciou antes de ter seu mandato casado.

Jair Bolsonaro também foi eleito foi eleito por um partido pequeno, o PSL. Uma de suas principais ponderações era a sua honestidade e que promoveria o combate à corrupção, assunto em pauta em função da Lava Jato. Atualmente corre pelas redes sociais um movimento de apoio a Bolsonaro e contra o Congresso e Poder Judiciário. Notícias dizem que o Chefe do Executivo incentiva esse movimento em busca de apoio dos brasileiros.

Quem pede apoio está necessitando dele. O futuro dirá.

Marcio Nogueira – Belo Horizonte/MG 

Jair e o furo

Caíram de pau, pedra e paralelepípedos em cima do presidente Jair Bolsonaro quando ele no seu cantinho preferido do Palácio da Alvorada, citou a respeito da CPI, das Fake News, onde a jornalista Patricia de Campos Mello queria dar um furo contra o Presidente. Todos pensaram naquilo, porém o que ele falou foi o furo jornalístico, que no jornalismo uma notícia em primeira mão é chamada "Furo". Todos estavam errados ao insinuar que o Presidente faltou com educação com a jornalista, declaradamente petista.

Senhor Presidente essa você matou a cobra e mostrou o pau, perderam os que o criticaram, furo é furo sempre.

José Pedro Naisser – Curitiba/PR