Do Leitor: Chuvas

30 de janeiro de 2020

Chuvas
 
A tragédia da chuva em Belo Horizonte neste início de ano chama a atenção para um fato: a ação
humana.
Prefeituras e prefeitos ávidos por votos na eleição seguinte canalizam os córregos para lançamento do esgoto, aprovam loteamento e construções na área de várzea e até na beira desses córregos (e até de rios), omitem-se diante da construção ilegal de casas e barracos de favela em morros e terrenos acidentados que exigiriam uma senhora obra de engenharia para sustentar uma habitação, moradores despejam lixo, entulho e animais mortos nesses cursos de água, jogar lixo na rua tornou-se uma tradição nessas terras brasileiras. O que esperar dessas agressões à natureza? Isso que estamos vendo,ouvindo ou lendo no noticiário: destruição de ruas, casas e, principalmente, vidas.
 
E o pior é que, passado esse período natural de chuvas fortes, todo mundo irá se esquecer da tragédia, até a próxima temporada de chuvas.
Em ano de eleições municipais, de olho nisso – é preciso, gente! -, os eleitores têm que ficar atentos aos candidatos que irão se apresentar. Não votar em nenhum nome que ocupa ou já ocupou cargo político (de prefeito, vice, secretário, vereador) e que pertença ou já pertenceu aos partidos que estiveram na prefeitura pelo menos nas duas últimas gestões já é um bom caminho para voltarmos a ter esperança de que algo irá melhorar em nossa cidade.
 
Felizmente, Passos ainda não sofreu com as chuvas deste ano. Os estragos que vemos nas ruas são consequência das más administrações municipais de hoje e de ontem.
Vamos pensar nisso antes de dar aquele voto para aquele candidato a prefeito e aquele candidato a vereador. Vamos olhar o passado dele antes de decidir. Não se deixe levar por sorriso fácil, aperto de mão, tapinha nas costas.
 
Não se deixe enganar.
 
 
O ‘noivado’ de Regina Duarte
 
Parece que Regina Duarte, realmente, tomará posse na Secretaria da Cultura do governo Bolsonaro. A Namoradinha do Brasil, como era carinhosamente chamada, trabalhou como atriz no cinema, teatro e televisão. Ela será responsável pelo acesso dos brasileiros a mais livros, espetáculos de música e dança, cinema, teatro, circo, museus, entre outros meios de divulgação da cultura. Aguardamos, ansiosamente, as cenas dos próximos capítulos, que serão comandados por Regina Duarte, estreante na vida política, participando diretamente do primeiro escalão do governo federal.