Disputa eleitoral em Piumhi tem três partidos sem coligação

18 de setembro de 2020

Foto: Divulgação

PIUMHI – Em Piumhi, apenas três partidos anunciaram seus pré-candidatos a prefeito, vice e vereador sem aderir a nenhuma coligação. Já os coligados formaram dois grandes grupos, um deles em apoio João Batista, o Joãozinho da Qualieng, e o outro em amparo a Paulo César Vaz, genro do ex-prefeito Wilson Marega Craide, o Craidinho, ambos concorrendo à prefeitura. No total, 115 nomes foram lançados para ocupar um cargo na Câmara Municipal, sendo apenas 39 do sexo feminino.

Dos partidos que decidiram concorrer sozinhos, o primeiro a anunciar as candidaturas foi o Partido Social Cristão (PSC), que, no dia 10 deste mês, escolheu Lúcio Matos para prefeito e Giuliano Souza para vice, além de 14 vereadores. Já o Cidadania indicou Diego Garcia à prefeitura, com Denilson Rosa, o Deninho da Motto Gatto, como vice. Além disso, 13 nomes disputam vagas no Legislativo municipal. O Partido Social Democrata (PSD) não lançou nenhum pré-candidato a prefeito, mas escolheu 12 nomes para exercer a vereança.

A primeira grande coligação foi anunciada no domingo, 13, em apoio ao pré-candidato Paulo César Vaz. Como vice, foi anunciado José Cirineu Silva, o Cirineu da Concretudo, que ocupou esse posto durante o mandato de Craidinho. A coligação uniu três agremiações: o Partido Socialista Brasileiro (PSB), o Partido Progressista (PP) e o Republicanos. A parceria indicou, ao todo, 41 pré-candidatos a vereador, sendo 13 do PSB, 14 do PP e 14 do Republicanos.

Já na quarta-feira, 16, a convenção em apoio a Joãozinho da Qualieng anunciou o ex-presidente da Câmara dos Vereadores Antônio Astésio como pré-candidato a vice. A maior coligação deste processo eleitoral reuniu, em apoio aos dois nomes do Partido Social Liberal (PSL), outros quatro partidos: o Partido Liberal (PL), o Partido da Mobilização Nacional (PMN), o Movimento Democrático Brasileiro (MDB) e o Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB). Foram lançados 35 pré-candidatos a vereador, sendo nove do PL, 12 do PSL e 14 do MDB. Apesar de participarem da coligação, PMN e PRTB não indicaram nomes para concorrer ao Legislativo.