Dia a Dia: Visualizando novos horizontes!

20 de fevereiro de 2020

É possível notar que o sistema de saúde, embora tenha passado por avanços consideráveis ainda não integra soluções eficientes frente à carga dos transtornos mentais. Países de baixa e média renda apresentam dados entre 76% e 85% das pessoas com transtornos mentais sem receber tratamento.

Outra problemática a ser encarada, enviesada através desse primeiro apontamento, dá-se na dificuldade de identificação dos muitos mecanismos de um distúrbio mental. Cada um desses mecanismos abrange uma vastidão de transtornos. Dessa forma, a perspectiva tradicional assumida pelas clínicas não compreende a imensidão dos aspectos cognitivos, emocionais, mentais e cerebrais, de acordo com Bruce Cuthbert, diretor da divisão de Desenvolvimento de Pesquisa Translacional e tratamento de adultos do Instituto Nacional de Saúde Mental.

Estudos apontam também a necessidade de intervenção ter ação precoce e preventiva, atuando direcionada ao grupo populacional jovem que durante seu desenvolvimento tem grande parte dos transtornos mentais instalados e conforme a progressão da idade, os problemas tornam-se severamente prejudiciais.

Atualmente não se deve tratar as patologias neurológicas com presunções arbitrárias. Entende-se que é preciso integrar ao sistema de saúde perspectivas mais abrangentes que adentrem nos campos genéticos, neurobiológicos, ambientais, comportamentais e outros componentes que são fundamentais para que os estudos básicos e clínicos possam tecer soluções sobre as causas maiores.

Análises realizadas e publicadas na revista American Health Magazine, apontam os seguintes dados: a psicanálise apresenta um percentual de 38% de recuperação após 600 sessões, a comportamental 72% de recuperação após 22 sessões e a hipnoterapia, de forma impressionante, 93% de recuperação após 6 sessões. Esses percentuais evidenciam que o tratamento realizado pela hipnoterapia assume uma abordagem frente ao paciente que busca compreender em suma os aspectos particulares e sistêmicos de cada pessoa.

Comumente, o destaque dos diagnósticos realizados por profissionais da saúde é direcionado para os sintomas aparentes sem considerar a particularidade do paciente, o que dificulta a eficiência do tratamento, pois, muito do que é prejudicial se dá pelos hábitos e comportamentos da pessoa que busca pela consulta. O hipnoterapeuta precisa assumir a preocupação frente ao tratamento não somente para os sintomas apresentados, mas pela estrutura de caráter que envolve o paciente.

De acordo com Jesus Mari, o sistema de saúde, caso fosse mais aberto, permitiria aos jovens se comunicarem melhor com os profissionais de saúde e estabelecer um diálogo franco. Somente desta forma, contribuições frente à identificação e possível redução da morbidade associada aos transtornos mentais que se iniciam na infância e adolescência poderiam ser solucionados, além de transformarem a vida adulta por completo. A melhor compreensão das causas dos transtornos mentais fornecerá a base necessária para aumentar a precisão do diagnóstico e intervenção clínica, diz Cuthbert.

A hipnoterapia atua não somente sobre a remoção dos sintomas, mas age diretamente sobre a remoção de atitudes negativas, fobias, padrões de comportamento que são prejudiciais e constituem autoimagens negativas que justificam sintomas prejudiciais.

O papel do hipnoterapeuta é identificar os eventos traumáticos e orientar o paciente em seu enfrentamento, de forma com que os transtornos possam ser combatidos de forma eficiente e objetiva. É uma prática certificada cientificamente e que vem demonstrando-se um divisor de águas devido aos seus resultados surpreendentes frente aos tratamentos convencionais de transtornos emocionais, físicos, psicológicos, comportamentais e etc.

Precisamos melhorar a compreensão sobre as causas dos transtornos mentais para fornecermos bases concretas que aumentem a precisão do diagnóstico e intervenção clínica.

Lembre-se, não estamos sozinhos e existem pessoas dispostas a te ajudar. Estamos juntos nessa jornada dos sentidos. Procure um profissional para retirar suas dúvidas e esteja ciente de que para ser ajudado não é preciso ter vergonha!

Oronilce Donizete Figueiredo Júnior é psicólogo, hipnoterapeuta e proprietário da clínica AutoDomínio.