Dia a Dia: Um pai e seus conselhos ao filho – Parte 2

11 de novembro de 2019

Estamos dando sequência ao assunto.

04) A MELHOR FELICIDADE – A CONSCIÊNCIA TRANQUILA

Realmente, ter a consciência tranquila representa mesmo um belo estado de felicidade. Significa que a pessoa tem sido responsável na sua vida, cumprindo com seus deveres e consciente de seus direitos. Como é bom uma pessoa chegar ao final de um dia cansativo, cheio de trabalho, colocar sua cabeça no travesseiro e poder, num rápido exame de consciência, analisar o que fez durante o dia e constatar que conseguiu muito mais acertos que erros.

Errar é humano, todos sabemos. Mas, melhor ainda é reconhecer os erros e aprender a lição, não incorrendo nos mesmos erros no futuro. Quando a pessoa é séria em todos os sentidos, os erros que comete, geralmente, não são voluntários, mas, erra por falta de conhecimento, de experiência ou por uma atitude ingênua. Sempre haverá tempo para as devidas correções. A vida é um aprendizado constante e o ato de errar faz parte do “aprender a viver”.

O importante é a pessoa se aceitar e procurar ser cada vez melhor em todos os sentidos. Assim, terá a sua consciência tranquila e gozará de uma melhor felicidade. Momentos de angústia, de dor, de um possível desespero, de tristeza, de inconformidade, de incompreensão, etc., sempre existirão na vida de qualquer um. É preciso, como diz a música, levantar-se, sacudir a poeira e dar a volta por cima.

 

05) O MAIS BELO DIA – HOJE

O nosso planeta Terra, não preciso explicar os seus movimentos, tem o dia e a noite para que possamos desfrutar do nosso trabalho e do merecido descanso, porque ninguém é de ferro, como se costuma dizer. A arte de saber viver é entender o nosso planeta, o nosso clima, entender a natureza, a região onde vivemos, a nossa cidade, a comunidade que frequentamos e com a qual convivemos.

Na vida temos dias bons e dias não muito bons, digamos assim. É melhor que falar em dias ruins. O importante para cada um é saber viver o dia de hoje, fazer com que ele seja o melhor dos dias na nossa vida.

Que ele seja muito bom hoje e que haja esperança de que amanhã ele será melhor ainda e assim por diante. Nossos dias poderão ter alguns espinhos, ou seja, contratempos, problemas ou outros aborrecimentos.

Mas, é preciso que haja espírito de boa vontade e otimismo para fazer com que cada dia seja muito bom, que mesmo havendo problemas eles serão resolvidos e não serão motivos para estragar o nosso dia.

Devemos aprender a tirar proveitos e aprendizados de tudo, mesmo daquilo que não foi bom para nós. Temos de amanhecer de cabeça erguida e deitar no final do dia com o mesmo otimismo que tivemos ao amanhecer.

 

06) O MELHOR TEMPO – AGORA

Devemos viver do passado? É claro que não! O passado tem de representar para nós apenas vivências alegres, felizes e dele tirarmos lições de vida. Se erramos no passado, que aprendamos a lição e não mais erremos.

Se no passado tivemos tristes momentos, e todos nós tivemos, seja uma doença, um acidente, um problema de trabalho, um mal entendido com parente, amigo, vizinho, procuremos passar por cima de tudo isso e não ficar amargando o que já aconteceu e que na época tentamos remediar.

No falecimento de um ente querido, sofrimento do qual ninguém escapa, que tenhamos na memória a figura querida da pessoa e dela recordemos tudo que ela foi e fez de bom. Ela não voltará para nossa vida.

Aproveitemos, então, apenas o que o passado possa nos trazer de bom. Quanto ao futuro, nós o preparamos com o que fazemos no presente. Portanto, sonhemos com um bom futuro. É claro que é bom sonhar, mas, com os pés no chão. Mesmo que plantemos em nossa vida para colher no futuro, as “intempéries” existem no decorrer do percurso da vida.

Precisamos estar alertas e preparados para administrar nossa caminhada. O futuro não é totalmente previsível, mas, de qualquer forma, temos de pensar positivamente e trabalhar no sentido de conseguir um brilhante futuro.

O importante é o agora, vivendo de forma correta, honesta, com sinceridade de propósitos, preparando o futuro, sem exageradas preocupações com ele. Até porque, não sabemos se chegaremos lá, quando será o futuro e quanto ele durará. Afinal, o hoje é presente, o amanhã já será o futuro. Quantos amanhãs teremos?

LUIZ GUILHERME WINTHER DE CASTRO, professor de oratória e de técnica vocal para fala e canto em Carmo do Rio Claro/MG – ex-professor do Ensino Técnico Comercial – formado no Curso Normal Superior pela Unipac.
E-mail: luizguilhermewinther decastro@hotmail.com