Dia a Dia: Requisitos para ser um bom professor ? Parte 1

23 de março de 2020

Todos nós sabemos que ser professor é uma arte e principalmente vocação. Infelizmente, vários professores há que abraçaram a profissão por necessidade, por falta de outras opções, não são professores vocacionados. Há aqueles que desembarcam do ofício depois de algum tempo, quando encontram a oportunidade de partir para o trabalho que sempre esperaram e arriscam uma nova empreitada. Às vezes, se dão bem, outras vezes, não encontram o que realmente esperavam e retornam para o magistério. Afinal, a sobrevivência fala mais alto. Outros acabam indo ao encontro dos seus sonhos e se realizam.

Mas, o fato de não ser vocacionado não significa que um professor não possa ser bom no magistério. Muito pelo contrário, ele poderá ser ótimo, desempenhar com muito vigor, experiência, com bons conhecimentos de pedagogia. Refiro-me à verdadeira pedagogia em toda a sua essência real e não aquela inventada por “alguns pedagogos” de gabinete, principalmente aqueles que nunca enfrentaram uma sala de aula. Aliás, uma teoria só é boa se funcionar na prática. Além disso, mais do que conhecer pedagogia é preciso ter excelente didática, ou seja, ter capacidade de saber transmitir conhecimentos e influenciar os educandos para que saibam estudar com racionalidade.

Do antigo curso primário, vindo depois o ginasial, o curso normal, o científico, o clássico e os cursos técnicos de várias áreas, já mudaram tanto as nomenclaturas e com nomes mirabolantes, que até parece que descobriram o Brasil novamente.

De qualquer forma, sem didática excelente, nada feito, um professor jamais se realizará e os prejudicados serão seus alunos.

Deixando toda a “celeuma” de lado, tenho comigo um texto elaborado e sem mencionar a autoria. É uma fotocópia, muito provavelmente da página de algum livro didático, olha a palavra aí novamente! O texto cita os requisitos para ser um bom professor, mas, meio humorístico, divertido. Vejamos, então, as informações. Nesta redação, nós imprimimos a nossa “sintonia, a nossas marca”.

O professor precisa ter uma memória de elefante. Bem, ter quarenta ou cinquenta alunos na sua classe e saber decorado o nome de cada um, já é uma prova de boa memória. E em quantas classes, às vezes, um professor atua, hein!? Além de saber os nomes, às vezes, acaba sabendo até quem é a família, onde os alunos moram e, querendo ou não, fica sabendo dos problemas não só do aluno, mas, da família também. No decorrer do ano, fica conhecendo a letra de cada aluno, o jeito dele escrever, a maneira como pensa e muito mais. Haja memória! Mas, tudo em louvor do ofício.

O professor deve ter também paciência de anjo. Bem, nunca vi um anjo celeste, mas, dizem que eles existem e eu também acredito até em “Anjo da Guarda”. Se os anjos são assim tão bons, atenciosos e pacienciosos, muito natural que os professores sejam comparados a eles, pois, realmente, para lidar com tantos estudantes tão diferentes uns dos outros e alguns até problemáticos por conta de indisciplina ou outros problemas mais, é preciso mesmo ter paciência de um anjo. Mas, haja paciência, hein!

Coração do tamanho do sol. Uma comparação gigantesca, pois o professor tem de ser tomado de uma bondade no coração que não pode ser mensurada. É uma bondade infinita. Ele está lidando com gente em formação, que precisa dele e representa o futuro da nação. Ter um coração bondoso significa amar seus alunos, a escola e dedicar-se com fé, dedicação e coragem ao seu ofício.

Olhos por todos os lados da cabeça. Olhos até nas orelhas, porque sempre tem aquele engraçadinho que adora falar e fazer brincadeiras quando o professor está de costas para ele. Pelo timbre da voz, pela risada, o professor enxerga até com as orelhas. Daí, dizer-se que precisa ter olhos por todos os lados da cabeça. Nem os cabelos, para quem ainda tem, devem atrapalhar. Continuaremos com o assunto na nossa próxima publicação.

 

LUIZ GUILHERME WINTHER DE CASTRO, professor de oratória e de técnica vocal para fala e canto em Carmo do Rio Claro/MG – ex-professor do ensino técnico comercial – formado no curso normal superior pela Unipac.