Dia a Dia: Ponderações para um Brasil melhor

2 de março de 2020

A data oficial do Carnaval já passou. Mas, no Brasil os antigos três dias da festa passaram para cinco ou sete dias, conforme o local e os interesses comerciais e principalmente de vários políticos. Um dia teremos a folia durante um mês inteiro ou até mais, quem sabe! Afinal, o brasileiro adora festas. Não significa que o brasileiro seja indolente e avesso ao trabalho. É um povo que trabalha bastante, nem todos por muito amor ao trabalho, mas, por necessidade de sobrevivência. Há quem trabalhe mal, engana e há também os que têm ojeriza pelo trabalho. Só de ouvirem alguém pronunciar a palavra “trabalho”, já ficam arrepiados e alguns até passam mal. Podendo viver à custa de alguém que os sustente, para que trabalhar? Há aqueles que procuram emprego, algo difícil hoje, mas, desde que o trabalho seja leve, não seja muito estafante, ou seja, nada muito trabalhoso.

Já ouvimos falar na tal geração “nem-nem. Uma parte dessa geração jovem, é claro! Nem trabalho, nem ocupação cansativa ou dolorosa, nem estudo e muito menos escola e nem aprendizado algum, portanto! Apenas, um copinho de cerveja nas mãos, um cigarrinho (vícios perigosos), um sono profundo e depois, só divertimento e alegria, num canto qualquer ou num barzinho da vida. Futuro? Que futuro? Pensar no amadurecimento, na velhice que um dia chegará, para que? São os que acham que os pais ainda viverão muito tempo e depois, o que deixarão de patrimônio, dará para viver tranquilamente! Quem assim pensa e age, está jogando numa loteria. A sorte pode até chegar ou nunca chegar! Ou ainda, mudar para lados piores! Alguns, até morrem antes dos pais.

Infelizmente, no nosso grande e imenso Brasil, sem nunca generalizar, estamos há anos assistindo uma deterioração dos costumes, da moralidade, da ética, do bom comportamento. É a prática do hedonismo, a busca do prazer pelo prazer, não importam os meios e fins. Trata-se de viver intensamente na satisfação dos desejos e interesses. Salvo alguma definição alternativa, a filosofia do hedonismo é esta. Faz parte do decálogo de Lenin também ou não?

Enquanto uma parcela da sociedade é mais esclarecida, educa os filhos de forma correta e satisfatória, independentemente de credos religiosos, mas, com base nos conceitos de ética e moralidade, outra parte negligencia e muitas famílias deixam por conta das escolas, dos professores. Estas se enganam totalmente, pois são elas, não as escolas, as responsáveis pela educação dos filhos. As escolas são responsáveis pelo ensino, pela cultura, pelos aprendizados necessários para a vida profissional, a vida de trabalho. Podem até funcionar como elementos coadjuvantes e auxiliares na complementação da educação e socialização dos estudantes. Não são, contudo, responsáveis diretos e únicos. A responsabilidade primeira e maior cabe à família.

O que acorre nos tempos de hoje é a desestabilização da família, não apenas no sentido de separação dos pais, quando não há outra saída, e pior, às vezes se tornam até inimigos e desleixam os filhos, mas também no sentido de que os pais precisam trabalhar muito tempo fora de casa e não têm como dar a verdadeira atenção na formação educacional dos filhos. Daí, deixarem para a escola, que por mais que deseje e tente não tem como suprir totalmente o que deve, com certeza, ser a principal obrigação da família.

Quando a sociedade conseguir se organizar realmente de forma correta, dando especial atenção à família, não apenas como geradora de novos seres humanos, mas, como a principal responsável pela verdadeira educação dos filhos, teremos crianças e jovens mais bem preparados para a vida adulta, mais conscientes do que se espera deles e do que eles esperam para o seu futuro.

 

Não é sem razão alguma que a família sempre foi considerada a “cellula mater” da sociedade, apesar de ter quem afirmasse que a família foi uma invenção. Houve até insinuação que foi invenção da Igreja Católica, cuja denominação completa é Santa Madre Igreja Católica Apostólica Romana. Se há alguém que acredite nisso, problema dele! O resultado da deterioração da família está aí, a olhos vistos, para quem deseja enxergar! Trata-se de um assunto muito complexo e bem mais amplo. Que cada um de nós faça a sua parte, tanto no sentido de ajudar os menos esclarecidos e no sentido de reforçar sempre os nossos laços familiares, para a glória não só da nossa família, mas, da sociedade também.