Dia a Dia: O milagre aconteceu, o milagre acontece!

26 de dezembro de 2019

E o Natal chegou. É momento de Fé, Paz, Alegria, Esperança, Confraternização, Família reunida em festa e Harmonia. Natal é momento mágico, as pessoas entram no clima, a solidariedade e fraternidade se fazem presentes, tornam-se mais caridosas, dividem um pedaço de pão com quem tem fome, agasalham alguém que sente frio e ai está toda a magia do Natal!

E como nossa cidade de Passos a cada ano que passa se prepara melhor para essa festa natalina: Ruas e Avenidas com muita luz e brilho, lojas com modernas decorações natalinas, carreata da alegria e caminhão de bombeiros com o bom velhinho (Papai Noel) desfilando, jogando balas, tirando fotos para encantar a meninada. Várias cantatas de Natal: a já tradicional “Cantata de Natal” pelas janelas e jardins do Educandário Senhor Bom Jesus dos Passos por vários belíssimos Corais de Passos e de nossa região e pela Banda de Música do 12º BPMMG, Cantata da Santa Casa de Passos, apresentações em frente ao Palácio da Cultura, praças enfeitadas…

Com toda essa beleza e modernidade das Festas Natalinas tenho lembranças desta data numa época de minha infância: Sem a noção da responsabilidade da vida adulta, só pensando na noite mágica, em colocar os sapatos no rabo do fogão ou na janela, ir dormir com os olhos bem abertos, na expectativa de acordar bem cedo, e ver se a bola de borracha tão sonhada tinha chegado, fingindo que acreditava que foi o Papai Noel quem trouxe, mas na verdade sabíamos que era nosso pai que comprava!

E assim, o dia de Natal era sempre uma inesquecível festa de alegria da criançada. Um Natal sem esses pisca-piscas modernos, sem essa invenção do “amigo oculto ou secreto”, sem o Peru ou Chester, a ceia era com o frango e a leitoa recheada, assada no forno, e que tinha o cheiro do fogão á lenha. E o cheiro gostoso permanecia pela casa!

E como Natal é tempo de reflexão, para você, leitor, um texto extraído do livro “365 dias, 365 histórias” de Padre Clóvis Bovo: “Na noite de Natal, pastores foram visitar o Menino Jesus. Um deles achou bom levar também a família. Deixou o rebanho e correu até sua casa. Acordou a mulher e os filhos mais crescidos: Vamos ver o Menino que nasceu, que os anjos anunciaram! Um dos meninos acordou com os cochichos meio abafados e disse que queria ir também. Mas era cego. O tempo era pouco, e a estrada longa. O pai respondeu: Deixe para amanhã, meu filho. Com luz do dia e a certeza do caminho, voltaremos lá e levaremos todos vocês. Será muito mais bonito. O menino acenou afirmativamente com a cabeça, mas não disse nada. Os pais saíram com uma candeia para facilitar a caminhada. O ceguinho tentou conciliar o sono, mas não conseguiu. A vontade de visitar o Salvador era mais forte do que o sono. Levantou-se do catre, procurou seu porretinho e saiu apalpando na escuridão. Os pais deveriam estar longe. Somente o silêncio campeava sobre a campina enluarada. Eis o ceguinho diante do presépio: mãozinhas postas, ele contemplava com os olhos da alma, as três figuras benditas que compunham o presépio: José, cioso do seu ofício de pai protetor; Maria, ninando o filhinho; Jesus, que parecia estar chorando… Então o ceguinho teve uma ideia luminosa. Voltando-se para Nossa Senhora, pediu: Eu não posso enxergar seu filho. Então, faça-me um favor. Passe a mãozinha dele em meus olhos apagados. Maria sorriu diante desse pedido tão confiante. Pegou a mãozinha de Jesus e passou-a levemente nos olhos do ceguinho. O milagre aconteceu. Os olhos do menino acenderam-se. Ele começou a enxergar.”

Que este ano o verdadeiro Natal invada a cada um de nós e nossos lares, que possamos olhar com os olhos do coração cada um que está ao nosso redor, que o milagre aconteça e que possamos despertar o brilho no olhar de todos que precisam e passar esses dias com alegria, fé, caridade, e vivamos as tradições e histórias que o tempo resgata! O Natal de congadas, cavalhadas, da chuva mansa, dos presépios, dos pastores, pastorinhas desse nosso cantinho bem mineiro de nossa região e, que, o Menino Deus nos dê cada vez mais momentos de paz, amor, saúde, e que suas bênçãos nos sejam abundantes ao longo de 2020.

Enfim, que nestas Festas Natalinas, você não deixe a religiosidade desaparecer, e que cada coração se encha com benções ricas e eternas para você e seus familiares. Feliz Natal!