CRM vai pedir apuração na UPA

27 de dezembro de 2019

PASSOS – Após o aposentado Antônio José Pereira, 56 anos, natural de Passos, morador do bairro Santa Luzia, morrer sem receber atendimento médico na porta da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade de Passos, na terça-feira, 17, o médico Eurípedes José da Silva, delegado do Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais, que representa o órgão em Passos e mais 28 cidades da região, disse ontem à Folha que a atitude dos funcionários da UPA, na verdade, não foi correta.O delegado disse que o caso será encaminhado para Belo Horizonte para que o fato seja apurado. “Vou enviar essa situação para BH para que o Conselho de lá averigue o que houve”, relatou Eurípedes José da Silva. Ainda de acordo com o delegado do CRM, o resultado da apuração pode levar de quatro a seis meses, em média. A equipe de Belo Horizonte ainda poderá abrir um processo contra o médico responsável, se acreditarem que houve falha no atendimento. Pode-se, inclusive, ser aberto um julgamento dentro do CRM. “Não posso falar exatamente o que vai acontecer, mas, dependendo da apuração, existem quatro penalidades a serem administradas, sendo que a penalidade máxima seria a cassação da licença profissional do médico que deixou de prestar atendimento”, explicou o delegado.