Anistia Internacional exige proteção do Estado ao porteiro do caso Marielle

31 de outubro de 2019

source
Marielle Franco arrow-options
Agência Brasil

Porteiro é testemunha no caso que investiga a morte da ex-vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes.

A proteção da vida e da integridade física do porteiro que prestou depoimento no caso do assassinato da ex-vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes foi solicitada pela Anistia Internacional ao Estado Brasileiro. A diretora executiva da Anistia, Jurema Werneck, solicitou que o Estado garantisse a proteção da testemunha, por meio da inclusão do porteiro no Programa de Proteção à Testemunha.

Leia mais: ’Eu não estou podendo falar nada’, diz porteiro do condomínio de Bolsonaro

O argumento utilizado por Werneck, em nome da organização, foi que o caso é ‘extremamente delicado’ e informações pessoas do porteiro foram reveladas, o que poderia expor o porteiro à riscos, ‘levando em consideração que os acusados de executar Marielle Franco são também acusados de serem integrantes de grupos criminosos’. Por isso, o direito à vida ‘precisa ser preservado’, segundo informações divulgadas no portal da organização.

A Anistia também exigiu que o Estado resguarde quaisquer informações como provas e testemunhas do processo. ‘Garantir a proteção desta testemunha também é garantir justiça para Marielle ‘. A diretora executiva apontou ainda que a apuração dos fatos ligados à morte da vereadora e do motorista não vêm ocorrendo de forma ‘transparente, imparcial e independente’.

Leia também: Polícia Civil demora 11 meses para expor nome de Bolsonaro no caso Marielle

O porteiro teria liberado a entrada do ex-PM Élcio Queiroz no para visitar a residência número 58 do condomínio Vivendas da Barra, referente a moradia do presidente Jair Bolsonaro antes de se mudar para o Palácio do Planalto. A passagem de Élcio teria ocorrido na tarde do dia 14 de março de 2018 e o ex-PM teria se direcionado à casa de Ronnie Lessa, outro acusado do crime. 

‘Uma investigação policial deve ter o cuidado de não expor detalhes que prejudiquem a descoberta dos fatos, mas esse sigilo não significa que as investigações são secretas. Exigimos saber quem mandou matar Marielle e por quê’, disse Jurema.