Lingua Portuguesa

Reflexões funcionais para ler e escrever

POR PROF. ANDERSON JACOB ROCHA

3 de Maio de 2021

Por que é possível que muitas pessoas ainda não possuem uma forma autônoma do ato de ler e escrever em suas relações sociais cotidianas, apesar do acesso a aprendizagem de leitura e escrita na escola ter aumentado? A educadora Isabel Solé argumenta que a escola precisa ressignificar a postura pedagógica que utiliza porque a leitura é o processo pelo qual compreendemos a linguagem escrita.

Para que isso seja feito, faz-se necessário considerar os conteúdos e as formas do texto, bem como as expectativas e conhecimentos prévios do leitor. A pesquisadora Marisa Lajolo nos mostra de forma mais didática quando explica que “para Paulo Freire, leitura boa é a leitura que nos empurra para a vida, que nos leva para dentro do mundo que nos interessa viver. E para que a leitura desempenhe esse papel, é fundamental que o ato de leitura e aquilo que se lê façam sentido para quem está lendo. Ler, assim, para Paulo Freire, é uma forma de estar no mundo”.

Quer compreender melhor um texto? A pesquisadora Solé salienta que a prática do resumo contribui muito para isso, pois ele organiza o significado geral do texto de modo sucinto. Entretanto, para realizá-lo, o leitor precisa saber diferenciar o essencial e o secundário no texto. A estratégia sugerida é aquela em que se usa o compartilhamento de leitura proporcionando uma gradação responsiva e controlável do texto.

A leitura se torna mais eficaz quando o leitor reconhece quais são as principais dificuldades dele. Cabe à escola criar estratégias que estabeleçam pontes entre o texto e o leitor. Problemas relativos à coesão e coerência textuais deverão ser abordados em textos que carreguem informações importantes e interessantes para o leitor. Se há dificuldades em relação a vocabulário, é preciso adotar o dicionário. Dito isso, deixarei aqui algumas estratégias de Solé sobre ensino e avaliação de leitura onde o principal sujeito transformador é o professor. A família pode e deve ajudar, mas isso é uma especialidade da escola. Seguem:

1.Aprender a ler significa aprender a ser ativo ante a leitura, ter objetivos para ela, se auto-interrogar sobre o conteúdo e sobre a própria compreensão.

2. Aprender a ler significa também aprender a encontrar sentido e interesse na leitura.

3. Aprender a ler compreensivamente é uma condição necessária para poder aprender a partir dos textos escritos.

4. Aprender a ler requer que se ensine a ler, e isso é um papel do professor.

5.Ensinar a ler é uma questão de compartilhar. Compartilhar objetivos, compartilhar tarefas, compartilhar os significados construídos em torno deles.

6.Ensinar a ler exige a observação dos alunos e da própria intervenção, como requisitos para estabelecer situações didáticas diferenciadas capazes de se adaptar à diversidade inevitável da sala de aula.

7. É função do professor promover atividades significativas de leitura, bem como refletir, planejar e avaliar a própria prática em torna da leitura.”

Tais estratégias, segundo a autora, devem pertencer a uma construção coletiva e repleta de significação para alunos e professores.

PROF. ANDERSON JACOB ROCHA. Doutor em Língua Portuguesa (PUC/SP). Autor do livro: A Linguagem da Felicidade. Instagram: prof_andersonjacob. Youtube: Prof. Dr. Anderson Jacob