Lingua Portuguesa Destaques

LÍNGUA PORTUGUESA

Por Maria Tereza de Queiroz Piacentini

13 de novembro de 2021

Customizar, ociar, linkar…

Dizia eu em 2003 que era um espanto o uso dos verbos customizar, fulcrar, ociar, pois eles tinham começado a circular na língua portuguesa havia pouco tempo, assim como outros que veremos a seguir. Isso significa um enriquecimento do idioma – para algumas pessoas; para outras, trata-se de um abuso. Quem não gosta de estrangeirismos e neologismos não precisa usá-los, certamente. Mas como não se escolhe o que se lê (no sentido de que não posso selecionar as palavras dentro de um texto que estou lendo), é bom saber o que há de novidade por aí. Uma delas é o verbo “ociar”, facilmente relacionado a “ócio”, como constou de resenha do livro A Economia do Ócio, de De Masi, Bertrand Russel e Paul Lafarge: “Os autores querem contribuir para a recuperação da ciência econômica como via ocidental para a arte de ociar”. E já está se vulgarizando entre os internautas o verbo gugliar (fazer busca no Google), que em inglês é “to google”.

Customização

P – Gostaria de saber o significado da palavra customização. E. O. S., Aracaju/SE
R – Customização tem o sentido de adaptar os produtos e processos ao gosto do cliente, fazer do que jeito que ele deseja; é portanto o atendimento que visa a satisfação do freguês. Em suma: personalizar. A origem da palavra está no inglês customer, que significa “cliente” – não tem nada a ver com “costume”, como pode parecer à primeira vista ao falante de português. Em inglês o verbo é “to customize”.

Linkar

P – Será que eu poderia ter uma lista das palavras oriundas do inglês e que se referem à informática que estão sendo usadas correntemente, como linkar, por exemplo. C. L. C. R., São Paulo/SP
R – Assim como muitos termos da área da informática são usados em bom português – configurar, arquivar, responder, formatar, imprimir, fechar –, outros continuam transitando, aqui no Brasil, em inglês mesmo (por ex. link, hiperlink, mouse, download, chat, backup). E outros, como delete, ainda que tenham equivalentes em português, receberam formas adaptadas que são preferidas pelo público. Vejamos então alguns verbos que sobrevivem com sua forma aportuguesada:
Atachar – o mesmo que anexar; fazer o envio de um arquivo como anexo.
Clicar – apertar e soltar o botão do mause (mouse).
Deletar – apagar, limpar, remover.
Escanear – digitalizar imagens por meio de scanner, aparelho de leitura óptica. Na área das comunicações também se fala em “leiaute escaneável”, ou leitor que escaneia online, isto é, que passa a vista, vê os subtítulos e as palavras-chaves, mas não lê o texto completamente.
Inicializar (em vez de “iniciar”) – pôr na configuração ou posição inicial.
Lincar (com c, e não k) – fazer as ligações ou clicar nos linques (links) presentes num hipertexto.
Postar – fazer um “post”, ou seja, escrever e enviar um artigo para um grupo de notícias ou mensagens públicas.
Surfar – o mesmo que navegar, passear pela internet. O termo navegar surgiu pelo fato de ter sido o Netscape Navigator o primeiro programa que possibilitou acessar e visualizar os recursos da rede www – a web.
Zipar – compactar (arquivo) para armazenamento de dados ou transmissão via rede.

MARIA TEREZA DE QUEIROZ PIACENTINI – Diretora do Instituto Euclides da Cunha e autora dos livros “Só Vírgula”, “Só Palavras Compostas” e “Língua Brasil – Crase, Pronomes & Curiosidades”.