Clima Destaques

Passos registra -1,4°C, geadas e danos em sistema de aquecimento

Por Ézio Santos/ Especial

21 de julho de 2021

Entre 5h e 6h, a sensação térmica chegou a -3°C. / Foto: Divulgação

PASSOS – O último recorde em baixas temperaturas registrado em Passos durou apenas 20 dias. Na madrugada desta terça-feira, a Estação Meteorológica Automática (EMA) instalada na Fazenda Experimental da Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg) marcou -1,4°C. Na madrugada de 1º de julho, a estação havia registrado 1,6°C, até então, a mais baixa nos últimos 11 anos.

A onda de frio provocou geadas na zona rural, congelou água em encanamentos na zona rural de Bom Jesus da Penha e danificou placas de aquecimento solar instaladas em cidades da região. Entre 23h de segunda-feira e 7h de ontem, a umidade relativa do ar variou entre 37% e 60%. Entre 5h e 6h, a sensação térmica chegou a -3°C.

Desde domingo havia previsão da chegada de uma massa de ar polar fria vinda do sul do continente. Segunda-feira esfriou bastante hoje (ontem), bem mais. Quando a temperatura do ar alcança valores iguais ou inferiores a zero grau, as geadas são inevitáveis, logo, as lavouras de café localizadas na parte baixa da área plantada são severamente atingidas, bem como de outras culturas (feijão, milho, cana-de-açúcar e hortaliça)”, explica Maria Gabriela Queiroz, agrônoma, doutora em meteorologia agrícola e professora efetiva da Uemg Passos na área de agrometeorologia. Ainda está prevista uma nova onda de frio intenso para o final do mês de julho, de acordo com os mapas meteorológicos.

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a previsão é de que o frio intenso na região continue ainda hoje e, a partir desta quinta-feira, as temperaturas devem subir gradativamente. Ontem, por volta de 15h30, a umidade relativa do ar estava em 15% e os termômetros marcavam 25,5°C.

Na madrugada desta terça-feira, em Maria da Fé, no Sul do estado, a temperatura chegou a -5°C, a segunda mais baixa registrada no país. Segundo dados do Sistema para o Monitoramento Agroenergético (Sismet), no âmbito da Cooxupé, em Guaxupé a temperatura mínima chegou a -2,2°C. Ainda de acordo com o Sismet, Cabo Verde, com -2,4°C e Carmo do Rio Claro (-0,7°C) também registraram índices negativos.

Além de danos às plantações, o frio intenso também causou problemas em sistemas de aquecimento solar devido ao congelamento de tubulações e avarias nas placas.

A situação ficou complicada, porque nós apenas comercializamos o sistema. Com a pandemia, o prazo de entrega dos materiais e acessórios têm se alongado bastante. O jeito é o cliente esperar, porque em muitos casos o conserto não resolve”, comentou Jeso Campos, vendedor da Casa Real, estabelecimento que atua no segmento de tubos e conexões.

Na Casa do Encanador, a procura devido a problemas em sistemas de aquecimento solar causados pelas baixas temperaturas foi grande na manhã desta terça-feira. “É complicado, porque só um instalador credenciado pode resolver. Vai depender da avaliação dele e do grau de estrago. Peças, são mais um dos agravantes”, afirma Kênia Cristina Faria, do setor financeiro.

No quintal de um sítio com pouco mais de dois hectares, localizado na Vargem Limpa, município de Bom Jesus da Penha, a água que saia de um cano congelou.

Parecia um monte de cal, de tão branco. Até a água que cai em um tanque onde coloquei alevinos de tilápias parou de escorrer. Tenho 47 anos e nunca tinha visto tanta geada nos pastos e lavouras. Usei quatro cobertores ao longo da noite e ainda passei frio”, contou Jeferson de Oliveira Alves proprietário do local.

Foto: Divulgação