Gastronomia Destaques

Queijos da Canastra ficam em 2º lugar em medalhas em concurso na França

Por Adriana Dias / Redação

14 de setembro de 2021

O produtor Johne Santos Castro (a direita) recebendo a medalha de Ouro pelo queijo de pasta mole ‘Sinhana-Mons Cremeux’, em concurso realizado em tours, na França./ Foto: Divulgação.

VARGEM BONITA – Diretamente da cidade de Tours, na França, onde estavam reunidos os maiores produtores e afinadores de queijo do mundo, o produtor Johne Santos Castro recebeu a notícia do reconhecimento em forma de medalhas, isso mesmo, no plural, do já premiado Queijo do Johne, que agora soma mais duas de bronze, conquistadas no Mondial du fromage et des produits laitiers (mundial do Queijo e dos produtos lácteos, em tradução livre). O concurso teve a participação de queijeiros de cerca de 50 países e é realizado entre 12 e 14 de setembro. Os queijos brasileiros ficaram atrás, em número de medalhas, apenas dos franceses.

E o sucesso dos queijos brasileiros, principalmente os mineiros, foi além das novas medalhas do Johne. A Fazenda Capivara produziu e apresentou na 5ª edição do concurso em Tours o queijo de pasta mole ‘Sinhana-Mons Cremeux’, que recebeu medalha de Ouro. Também participou e foi premiado, com medalha de prata, o queijo Santuário do Mergulhão de cura de casca lavada. E, o mais cobiçado prêmio, o Super Ouro, saiu para queijos da região da Serra da Canastra, o Canastra Reserva do Ivair, de Ivair José de Oliveira, de São Roque de Minas, e o Queijo Canastra Serjão Maturado 100 Dias, de Sergio de Paula Alves, de Piumhi. Além de seis medalhas de Bronze.

De acordo com Johne, o prêmio ouro foi para o queijo de pasta mole e os de bronze para os queijos de casca lisa.

“Recebemos também uma homenagem durante o evento, da Associação Internacional do Queijo, à qual nos associamos. Também somos associados da SerTãoBras a quem devemos, na pessoa de Débora Pereira, todo o sucesso dos queijos da Canastra aqui na França. Ela é quem nos assessora na França, nosso porto seguro”, informou o produtor, que é proprietário da Fazenda Capivara.

Vicente Paulo Costa Melo e sua esposa Silmar de Castro Mota, proprietários da Fazendinha Santuário do Mergulhão, que fica na estrada entre Vargem Bonita e São Roque de Minas também foram premiados no concurso. Campeões em 2019, com a medalha Super Ouro, este ano eles mandaram o queijo Mergulhão de cura de casca lavada e ganharam prata.

“Fomos convidados a participar este ano, o que já mostra que nosso produto é de qualidade internacional. São vários quesitos que permitem um produtor queijeiro participar deste concurso na França. Ficamos muito honrados em receber o convite. Por conta da pandemia, não pudemos ir, mas enviamos, por meio da associação, e ficamos felizes na tarde deste domingo, 12, ao saber que fomos premiados com prata. Estamos no caminho certo, afinal, este foi o primeiro que enviamos de casca lavada, para nós é o equivalente ao Super Ouro. Só ainda sentimos muito que a legislação brasileira não permite que mandemos os nossos queijos fungados (feitos a partir do fungo Canastra), existem promessas de aprovação da legislação, aguardamos ansiosos, porque, com isso, crescem as chances das queijarias da Canastra”, salientou Melo.

As medalhas de Bronze foram para o Queijo Canastra Sinhana 240 Dias – de Holorico Soares Costa, de Vargem Bonita; Canastra do Ivair, de Ivair José de Oliveira, de São Roque de Minas; Canastra J&C 90 Dias, de Jadir da Costa Pereira, de São Roque de Minas; Queijo Canastra do Johne, de Johne de Castro, de Vargem Bonita; Canastra Matinha do Ouro 60 Dias, de Otinho e Eliane Freitas, de São Roque de Minas e Barão da Canastra Casca Florida, de Rogério Julio Soares Ferreira, de Piumhi.