Gastronomia Destaques

Após final do MasterChef 2021, a passense Juliana Arraes relata experiência no programa

Por Gabriella Alux / Redação

20 de dezembro de 2021

Passense foi eliminada em agosto, mas conta bastidores e o que achou do episódio final./ Foto: Reprodução.

PASSOS – Na última terça-feira, 14, foi ao ar o episódio final da 8ª edição do MasterChef Brasil 2021, tendo como ganhadora Isabella Scherer. A passense Juliana Barbosa de Sousa Arraes, de 37 anos, que já participou duas vezes do programa, ficou em 17º lugar e foi eliminada no dia 24 de agosto. A primeira participação aconteceu em 2020, no terceiro episódio da 7ª temporada.

“Participar de mais uma edição do MasterChef foi incrível, a realização de um sonho. Fico muito feliz e satisfeita em saber que consegui entrar no programa e, dessa vez, para uma temporada completa, uma vez que na edição anterior, cada episódio tinha um vencedor. Tenho muito orgulho e sempre serei uma MasterChef”, afirmou Juliana.

Ela conta que o episódio final foi muito bonito, adorou os três cardápios feitos pelos três finalistas, pois foram bem distintos um do outro, sendo de acordo com a personalidade de cada um.

“A ganhadora Isabella, por exemplo, eu a apelidei de alquimista do sabor, pois realmente ela trouxe na final um menu vegano com sabores surpreendentes e nada óbvios, usando até mesmo carvão como ingrediente”, disse.

Juliana comenta que, apesar de ter torcido para outro finalista, ficou feliz com quem ganhou, pois além de todos serem muito amigos, a Isabella mereceu ganhar.

Segundo ela, em comparação com a edição anterior, não existe melhor nem pior, porque ambas tiveram muita importância, inclusive, a 7ª temporada teve um papel social de ações que ajudaram entidades em um momento muito delicado durante a pandemia da covid-19. Juliana conta que a entrada para a 8ª temporada foi mais acirrada por ter um número menor de vagas e que pode ter um contato maior com o elenco do programa e fazer amizades durante o período de confinamento.

A passense conta que os participantes se apegaram muito e superaram pequenas mágoas que ficaram dos jogos de escolhas durante o programa e que mantém contato diário com os colegas. Segundo ela, todos se acostumaram com o grupo, têm sentindo falta um do outro e que pretende manter todos eles presentes, apesar de ter um contato maior com os que moram perto.

“Em relação às gravações, com a pandemia, elas foram diferentes. Ficamos confinados em um hotel, cada um no seu quarto. Nosso andar era isolado e só podíamos sair do quarto acompanhados por alguém da produção. A rotina era do hotel para o estúdio da Band e da Band para o hotel. Existia uma rotina de realização de teste da covid também, foi tudo muito responsável e seguro”, contou.

Juliana afirmou que, por ter sido eliminada em uma prova de confeitaria, área da gastronomia em que tem mais afinidade, o que faria diferente era ter colocado o sorvete diretamente no ultracongelador e não usaria a máquina de sorvete, pois não soube mexer no equipamento e foi eliminada devido ao ponto do sorvete, que derreteu, e não conseguiu fazer o prato solicitado na prova.

“Ainda pretendo abrir um café que tenha uma parte bem forte na confeitaria. O meu maior sonho, após o MasterChef, é ter empreendimentos gastronômicos de sucesso com franquias em todo o país, ter a oportunidade de estudar muito, desta vez, em escolas renomadas, e um dia ser reconhecida como uma grande chef”, declarou Juliana.

Para a torcida que acompanhou no programa, especialmente os passenses, Juliana disse que agradece o carinho, conta que está morrendo de saudade da cidade e pretende organizar um evento gastronômico quando vier visitar a família.