Folha Motors Destaques

Renault Kwid elétrico esgota primeiro lote e preço sobe R$ 4 mil e vai para R$ 147 mil

FOLHA MOTORS

17 de junho de 2022

Com o fim das primeiras 750 unidades, novo lote do Renault Kwid E-Tech deve chegar no final de 2022./ Foto: Divulgação.

Em pré-venda desde o início de abril, o Renault Kwid E-Tech teve o seu primeiro lote esgotado. E com o fim das 750 unidades, o hatch recebeu um reajuste na tabela de preços. No entanto, não foi o suficiente para tirar o posto de carro elétrico mais barato do Brasil. Dessa forma, o modelo agora custa R$ 146.990, ante aos R$ 142.990 cobrados anteriormente. Ou seja, R$ 18 mil reais a menos que o JAC e-JS1, pequeno hatch feito em parceria com a Volkswagen.

Apesar do aumento, o valor para reservar o Kwid elétrico continua de R$ 999. De acordo com a Renault, o segundo lote – que não teve uma quantidade confirmada – já está encomendado da China, onde é feito. E desembarca no último trimestre de 2022.

Para trazer a versão elétrica do hatch ao Brasil, a Renault fez mudanças no Kwid E-Tech. Aqui, a versão elétrica é mais potente, com 65 cv, pouco menos que os 71 cv do motor 1.0 flex de três cilindros. Já o torque do elétrico é maior e instantâneo, com 11,5 mkgf entregues de imediato, ante 10 mkgf a 4.250 rpm do motor térmico com etanol.

Dessa forma, o Kwid elétrico acelera mais rápido que o flex. A aceleração de zero a 50 km/h, por exemplo, leva 4,1 segundos pelos dados oficiais. Já a velocidade máxima é limitada a 130 km/h, isso na condução normal. Com o modo Eco acionado, o hatch elétrico não passa muito dos 90 km/h, para, assim, ampliar a autonomia das baterias.

Autonomia é o destaque

Embora seja basicamente o mesmo carro por fora, o Kwid elétrico tem diferenças em relação ao hatch feito em São José dos Pinhais (PR). Isso inclui a dianteira com a grade fechada que esconde o plug de carregamento das baterias. Além disso, há capô e logotipos exclusivos. Mas, a principal diferença é a suspensão, que é um pouco mais alta por causa das baterias, que ficam instaladas sob o assoalho. Falando nelas, o pacote tem capacidade de 26,8 kWh. Assim, quando totalmente carregado, fornece autonomia para até 298 km, segundo o Inmetro.

Em relação a tempo de recarga, o modelo possui um carregador para tomadas comuns, de 110V ou 220V. Entretanto, o tempo de recarga em fontes de 220V chega a 10 horas. Ou seja, o ideal é ter o carregador de parede, o famoso Wallbox, em corrente alternada. Nele, segundo a Renault, é possível encher até 80% das baterias em menos de 3 horas. Em pontos de recarga rápida, dá para repor 190 km de autonomia em 40 minutos.