Esporte

Cruzeiro paga dívida que poderia causar rebaixamento à Série C

21 de agosto de 2021

Denilson deixou o Cruzeiro em 2016, com apenas cinco jogos disputados./ Foto: Divulgação.

BELO HORIZONTE – O Cruzeiro quitou, nesta sexta-feira, 20, a dívida que possuía com o Al Wahda, dos Emirados Árabes Unidos, pelo empréstimo do volante Denilson, concretizado em 2016. O valor era de 850 mil euros – pouco mais de R$ 5 milhões na cotação atual. A não quitação do encargo poderia causar punição da Raposa, com rebaixamento à Série C do Campeonato Brasileiro.

Em 2020, antes mesmo do início da Série B, o Cruzeiro foi punido com a perda de seis pontos por não ter pago a dívida com o Al Wahda. A Fifa exigiu a punição em 19 de maio, quando venceu ao débito. À época, o clube era administrado pelo Conselho Gestor. No ano passado, inclusive, o clube árabe chegou a solicitar, junto à Fifa, o rebaixamento da Raposa.

De lá até aqui, o Cruzeiro buscava, de várias maneiras, recursos para quitar o débito com o clube asiático. Temia-se, por exemplo, nova punição com perda de pontos na Segunda Divisão. Denilson foi contratado em 2016, por empréstimo. No entanto, deixou o Cruzeiro após apenas cinco jogos, sem marcar gols.

O clube celeste quitou a dívida com o Al Wahda a partir da venda da sede Campestre II, negociada por valor próximo a R$ 15 milhões. O imóvel era anexo à sede social no bairro Santa Branca, na região da Pampulha. Com o aval dos 223 integrantes do Conselho Deliberativo que estiveram em votação, a propriedade, que era usada como estacionamento por uma empresa terceirizada, foi vendida.

Em nota, Sérgio Santos Rodrigues, presidente do clube, destacou: ‘Seguimos no difícil propósito de sanear o Cruzeiro e buscar o resultado desportivo ao mesmo tempo’.