Destaques Entretenimento

Sob o peso do racismo e do atraso

Por Luiz Carlos Merten / Especial

10 de junho de 2020

Foto: Divulgação

Em abril do ano passado, João Paulo Miranda Maria migrou para a França com a mulher e os dois filhos, atualmente com 9 e 6 anos. Foi para o que seria um breve período, para fazer a pós-produção de “Casa de Antiguidades”. A coprodução internacional implicava o compromisso de finalizar o filme na França. Ficou pronto, foi selecionado para o Festival de Cannes, que, em 2020, não se realizará, como tradicionalmente, na Croisette, mas através de parcerias com grandes eventos de cinema de todo o mundo no segundo semestre.

João Paulo, de 37 anos, ainda não sabe os detalhes, como e em que circunstâncias seu filme será apresentado. Só sabe que “Casa de Antiguidades” sempre esteve na mira do festival.

Falavam do filme para todas as seções. No final, seria para a competição, que agora não haverá. Mas o festival quer chamar a atenção para os 53 filmes selecionados, e para mim é fundamental, como estreante.” Ele pode ser estreante no longa, mas já foi testado nos curtas, e até premiado em Cannes.

Começou a fazer cinema no interior de São Paulo, em Rio Claro. Estudou no Rio, voltou à sua cidade, deu aula, criou um coletivo, Kino-Olho, em homenagem a Dziga-Vertov, e o grupamento se mantém ativo após sua ida à França. “Casa de Antiguidades” é um filme pessoal. Embora não seja autobiográfico, tem muito a ver com sua origem.

A cidade é muito conservadora, a família dividiu-se nos últimos anos. Queria refletir sobre isso, mas não imaginava que o filme fosse surgir nesse momento de pandemia, num quadro de nova radicalização e ainda por cima em meio a todas essas manifestações antirracistas nos EUA e na Europa.” O antirracismo tem tudo a ver.

Casa de Antiguidades” é sobre um negro idoso, o que seria o grupo vulnerável, de risco. Antônio Pitanga é quem faz o papel. Ele precisa trabalhar e vai para uma comunidade fictícia de austríacos no Sul do Brasil.

Na casa do título descobre uma coisa que remete a acontecimentos passados, mas que ainda persistem. Reage feito bicho, de forma selvagem. Enfrenta preconceito.

O filme é contemporâneo, num clima que evoca os anos 1970, a época da ditadura e eu diria até que é meio futurista, mas retrô. Não é de gênero, mas tem elementos de faroeste, tem suspense.

O que João Paulo Miranda Maria não tem dúvida é que se trata de um filme radical.

Não fiz para agradar a ninguém, não é um filme fácil. É o filme que acho que tem de ser feito neste momento.”

Ele conversa com o repórter pelo telefone da mesma localidade na periferia de Paris em que viveu Georges Méliès.

“Moro na mesma rua em que ele morava”, conta. A França começa a relaxar as medidas de isolamento. A flexibilização chegará aos cinemas no dia 22, com a promessa de reabertura das salas, com toda segurança e medidas excepcionais de distanciamento.

João Paulo tem um filho especial.

“Acho que foi a maior descoberta que fiz aqui. Uma coisa muito bacana de cidadania. Meu filho recebe aqui um atendimento, na escola inclusive, que mostra como estamos atrasados no Brasil. Aqui, o problema não é individual, nem da família. É da comunidade, da sociedade como um todo.