Destaques Entretenimento

Chris Pratt encara alienígenas

7 de julho de 2021

Chris Pratt numa história baseada num épico de ação e ficção científica. / Foto: Divulgação

Chris Pratt pode ser leal a duas das maiores franquias do momento, entre Marvel e Jurassic World, mas às vezes deseja algo original. “Ouvi queixas de que as pessoas estavam cansadas dessas coisas”, disse ele, numa recente entrevista. “E me senti inclinado a tentar alguma coisa original.

Foi quando o roteiro de Zach Dean do que se tornaria A Guerra do Amanhã, lançado no último final de semana na Amazon Prime Video, foi parar em suas mãos. Não é uma história baseada num boneco ou numa HQ, nem uma aventura num parque temático.

O então intitulado Ghost Draft era um épico de ficção científica de ação sombrio e comovente sobre uma geração de pessoas que são recrutadas para viajar 30 anos no futuro para combater uma guerra perdida contra alienígenas. E a produtora Skydance já estava a bordo.
Mas eles necessitavam de um nome e Pratt se encontrava numa rara posição em Hollywood, onde apenas seu envolvimento poderia fazer um filme decolar.

Assim, ele aceitou o papel do protagonista do filme, Dan Forester, cientista e pai de uma garota recrutada para a perigosa missão. Pratt também decidiu atuar como produtor executivo pela primeira vez, o que significa que participou do elenco, das revisões do roteiro e de algumas decisões criativas

Mas havia um problema que precisavam resolver de imediato: Ghost Draft era um título muito sinistro. “Depois pensamos em Children of Men e alguns outros”, disse o diretor Chris McKay. “Children of Men parecia um título de comédia”, acrescentou Pratt.

Se a ideia era conseguir mais de US$ 20 milhões para produzir o filme e atrair famílias inteiras para um cinema, então precisavam de um título mais leve. Menos distopia sem esperanças, mais no estilo de Independence Day.

Em parte, essa é a razão pela qual Chris McKay, que dirigiu três temporadas de Robot Chicken e também foi diretor de Lego Batman: O Filme (The Lego Batman Movie), colocou no elenco artistas como Sam Richardson, de Veep, Mary Lynn Rajskub, de Mr. Show, e Mike Mitchelll, de The Birthday Boys, para os papéis coadjuvantes. “São promotores de comédia”, disse ele.

Gosto de filmes como Aliens onde você tem suspense, ação e também pessoas com reações humanas reais às coisas e há humor no caso de uma situação ou um personagem.”

E existe o elemento dramático dos riscos assumidos pela família com um estranho pai (J.K. Simmons) e uma família adorável (Betty Gilpin e Ryan Kiera Armstrong) que ele está deixando para trás a contragosto. Para McKay, que estreia como diretor de um filme de ação, a oportunidade de combinar escopo e coração era um sonho.

Cresci vendo filmes de John Carpenter, Steven Spielberg, Joe Dante, George Miller, Kathryn Bigelow, James Cameron. Os filmes que dirigiram é que me fizeram desejar ser cineasta”, disse ele. “(Este filme) tem muito das coisas que eu adorava quando criança

Ele e Pratt tiveram de dar o máximo, tendo seu momento Star Wars na Tunísia, filmando no local, em plataformas de petróleo e geleiras, em vez de gravarem as cenas no estúdio com telas verdes. As coisas não foram nada fáceis: na Islândia, foram os primeiros a colocar um guindaste numa geleira, a poucos metros de distância de um tremendo penhasco. Mas eles esperam que isso dê ao filme uma sensação diferente do que algo gerado inteiramente no computador.