Educação

Uemg firma acordo com Ibrachina para seleção de estagiários no preparo de livro

17 de fevereiro de 2021

Foto: Divulgação

PASSOS – A Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg) abriu um edital em parceria com o Instituto Ibrachina para realizar uma seleção de estudantes para estágio não obrigatório remunerado no âmbito do acordo de cooperação em pesquisa. O período de inscrições é de 22 a 25 de fevereiro e o formulário deverá ser enviado à Coordenação de Extensão junto com histórico escolar pelo endereço de email extensao.passos@uemg.br até as 23h59 do último dia.

O Acordo de Cooperação Uemg-Ibrachina tem por objeto a conjugação de esforços entre 20 partícipes para promover atividades de pesquisa e elaboração do livro intitulado “Perfil Produtivo e Potencialidades do Sudoeste Mineiro”, bem como da sua posterior edição, impressão e divulgação por meio do Ibrachina. Os valores serão pagos em três parcelas de R$400 diretamente do Instituto ao estudante, em data a ser definida, e o período de duração da bolsa será de três meses.

Para participar, é necessário estar matriculado, pelo menos, no 2º período de um curso de graduação da Uemg, unidade de Passos; ter desempenho acadêmico global igual ou superior à média de 60 pontos; ter disponibilidade para dedicar 20 horas semanais a todas as atividades relacionadas à pesquisa e não receber outra bolsa de pesquisa, ensino ou de extensão durante a vigência da bolsa de que trata este edital.

De acordo com o diretor da Uemg-Passos Itamar Faria, a universidade é o terceiro local que mais oferece estágios na cidade, seguida da prefeitura, que é a primeira no ranking, e a Santa Casa de Misericórdia de Passos. Para Itamar, o acordo é um encaminhamento para conseguir ainda mais estágios aos alunos, uma vez que, até então, há mais de mil estagiários em vários locais da cidade.

Além disso, essa parceria é importante para a unidade e também para a nossa região porque vai possibilitar um levantamento das potencialidades econômicas entre outras potências de todo o sudoeste. Isto é, tanto para tentar investimentos, mas também para aumentar o conhecimento que as administrações locais têm da região e talvez não tenham se atentado para potencialidades que podem ser economicamente viáveis para produzir alternativas para o que não tem atualmente ou aperfeiçoar o que já existe. Essa talvez seja a grande contribuição que essa parceria pode trazer”, finalizou o diretor.