Educação Lingua Portuguesa

LÍNGUA PORTUGUESA

31 de julho de 2021

Foto: Divulgação

O bolsa-família

Pode parecer paranoia ortográfica, mas é impossível não notar a falta de atenção do governo às leis ortográficas oficiais no momento em que lançou o Bolsa-Família, “a evolução dos programas de complementação de renda no Brasil”. Só que na sua grafia houve uma pequena involução quando a hifenização foi esquecida. Nas duas páginas de propaganda veiculadas em algumas revistas, encontravam-se seis substantivos compostos sem o hífen: *Auxílio Gás, *Vale Gás, *Bolsa Escola, *Bolsa Alimentação, *Cartão Alimentação e * Bolsa Família.

Pôde-se observar que, mesmo assim, muitos órgãos de imprensa levaram em conta as convenções ortográficas, escrevendo: Auxílio-Gás / Vale-Gás / Bolsa-Escola / Bolsa-Alimentação / Cartão-Alimentação / Bolsa-Família
Convém, neste caso, rever a regra que nos leva ao uso do hífen nesse tipo de palavra composta. Sabemos, mesmo que intuitivamente, que em português os substantivos, como regra, não são usados lado a lado sem alguma forma de conexão. Não se diz “Aquela bolsa couro é bonita”, mas “Aquela bolsa de couro é bonita”.

Então: os substantivos se associam ou por meio de preposição ou de hífen. Bolsa é substantivo, Família também. Como não se fala em Bolsa da Família, Bolsa para Família, deve-se empregar o hífen no lugar da preposição: Bolsa-Família. Esse raciocínio pode ser estendido a vários outros casos de uso frequente hoje em dia:

vale para gás = vale-gás
vale para transporte = vale-transporte
auxílio para maternidade = auxílio-maternidade
auxílio para funeral = auxílio-funeral
auxílio para refeição = auxílio-refeição
auxílio pelo desemprego = auxílio-desemprego
auxílio por doença = auxílio-doença
licença por/como prêmio = licença-prêmio
licença pela paternidade = licença-paternidade
cartão para alimentação = cartão-alimentação
tíquete para alimentação = tíquete-alimentação
bolsa para alimentação = bolsa-alimentação
bolsa para escola = bolsa-escola
seguro por desemprego = seguro-desemprego
salário por/para a família = salário-família
salário por hora = salário-hora
custo por hora = custo-hora
hora de aula = hora-aula.

Entretanto, por que hora extra não leva hífen? Porque extra aí é um adjetivo, redução de extraordinário, e não substantivo como hora. No plural: horas extras.

São raros os casos de dois substantivos intimamente associados sem a intervenção do hífen, o que constitui uma exceção à regra. Isso só acontece quando o segundo substantivo faz as vezes de adjetivo. Por exemplo: efeito cascata = efeito cascateante; carro esporte = carro esportivo (não se trata de carro e esporte ao mesmo tempo, nem de carro para esporte). Complementa o assunto a coluna Não Tropece na Língua 300.

MARIA TEREZA DE QUEIROZ PIACENTINI Diretora do Instituto Euclides da Cunha e autora dos livros ‘Só Vírgula’, ‘Só Palavras Compostas’ e ‘Língua Brasil – Crase, pronomes & curiosidades’ – www.linguabrasil.com.br