Destaques Educação

Abstenção no Enem chega a 49,1% em Passos

Por Beatriz Silva / Redação

19 de janeiro de 2021

Foto: Divulgação (Agência Brasil)

PASSOS — O primeiro dia do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), realizado no último domingo, 17, registrou uma taxa de abstenção de 49,1% em Passos. No município, foram 2.366 pessoas ausentes, ante 2.449 indivíduos que realizaram a prova. O cenário acompanhou a realidade nacional, onde mais de 2,84 milhões dos inscritos não compareceram ao exame, o que representa uma taxa de abstenção de 51,5%.


Você também pode gostar de:

A Escola Estadual Professor Jair Santos foi o local de prova com maior índice de abstenção em Passos. Dos 156 inscritos no local, 106 pessoas não compareceram (67,9%). Em seguida, com índice de 58,8%, apenas 138 pessoas realizaram a primeira prova na Escola Estadual São José, e outros 197 indivíduos faltaram.

Na Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg), local com maior número de inscritos para realização do Enem em Passos, os ausentes representaram 41,3% do total. Neste caso, 433 pessoas compareceram e 312 se ausentaram. Já no Instituto Federal do Sul de Minas (IF Sul de Minas), o percentual de abstenção foi de 54,2%, com 300 ausentes.

Mesmo com o recorde de abstenções em todo o país, em entrevista coletiva no domingo, o ministro da educação, Milton Ribeiro, elogiou a aplicação do exame. “Eu registro a minha gratidão em qualificar o Enem no meio de uma pandemia como algo vitorioso, para não atrasar mais a vida de milhões de estudantes”, disse.

Sobre a abstenção, Ribeiro apontou a pandemia e a mídia como culpados. “A pandemia e o trabalho de mídia contrário ao Enem foram os responsáveis pelo número recorde de ausentes. A mídia não teve o mesmo tratamento em relação ao vestibular da Fuvest, por exemplo”, encerrou.

Em entrevista à Folha, Beatriz Chavez, de 23 anos, disse que o medo em relação à pandemia foi o principal motivo para sua ausência no primeiro dia do exame. “Gostaria de ter participado para aplicar minha nota em universidades que contemplassem o curso de veterinária ou psicologia, porém, achei perigoso demais. Estamos na segunda onda da doença, o número de contaminados é muito alto, e acredito que, nos próximos 15 dias, os números sejam ainda maiores”, disse.

De modo similar, uma professora que preferiu não se identificar falou sobre a sensação de medo que a impediu de colaborar com a aplicação da prova.

Sabendo da realidade vivenciada no país, é natural que o total de participantes seja menor. Eu trabalhei aplicando a prova durante os últimos três anos, no entanto, ao saber da pouca disponibilidade de leitos hospitalares na região, e lembrando da facilidade de contágio da covid-19, desta vez preferi me ausenter até mesmo para preservar ao máximo a saúde dos meus familiares”, contou.

Ainda conforme a professora, a falta de recursos para organização de um exame de amplitude nacional deve ser destacada.

Pedia-se o uso obrigatório de máscaras, no entanto, elas não seriam disponibilizadas pelo governo. Poderíamos levar máscaras a mais para trocá-las, mas onde elas seriam guardadas? Pelo histórico que temos de aplicações no Enem, sabemos como a situação sempre foi precária, deste modo, me preocupo até mesmo com a disponibilidade de álcool gel 70% para todos os envolvidos”, pontuou.

No município, foram 2.366 pessoas ausentes, ante 2.449 indivíduos que realizaram a prova.


Veja o número de abstenções em cada uma das escolas onde a prova foi aplicada no LINK abaixo: 

Total de pessoas ausentes e presentes no Enem por unidade escolar