Economia

Contas de luz e energia solar

23 de julho de 2021

Um projeto de lei que tramita na Câmara dos Deputados quer garantir um desconto, até 2047, na conta de luz de casas e empresas que usam energia solar. A proposta, que institui o Marco Legal da Microgeração e Minigeração Distribuída, indica que o subsídio por 26 anos será oferecido somente a projetos fotovoltaicos criados até um ano após a publicação da lei.


O que você também vai ler neste artigo: 

  • Termelétricas
  • Proteste
  • Geração de energia
  • Crescimento

Termelétricas

Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), os consumidores pagaram R$ 1,02 bilhão em contas de luz nas bandeiras tarifárias entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021. Em meio ao encarecimento das faturas, ligado ao uso ativo das termelétricas, a produção de energia solar vem ganhando destaque como uma opção local, limpa, renovável e sustentável, capaz de aliviar as demandas brasileiras.

Proteste

A Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste) apoia o projeto de lei da energia solar, como uma alternativa de estimular os consumidores a aderirem a essa fonte de energia sustentável. O diretor de Relações Institucionais e Mídia da Proteste, Henrique Lian, comentou como o projeto de lei sobre a microgeração e a minigeração de energia é fundamental. “Em nenhum lugar do mundo isso aconteceu sem incentivo. A pequena geração é a mais limpa de todas, pois reduz a necessidade de construção de mais infraestrutura de distribuição, além de evitar o acionamento de termelétricas, com alto custo para os consumidores em geral”, disse.

Geração de energia

Desde 2012, a geração de energia solar é permitida, mas o PL detalha o funcionamento, trazendo segurança e valores que pretendem ser justos a pequenos e médios geradores de energia. O projeto de lei ainda prevê ainda um programa de energia renovável social, direcionado a investimentos na instalação de sistemas fotovoltaicos na modalidade local ou remota compartilhada aos consumidores de baixa renda.

Crescimento

De acordo com as estimativas da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) o ano de 2021 trará um acréscimo de 5,09 GW em potência instalada de energia solar fotovoltaica no Brasil. Isto representa um aumento de 68% em relação ao acumulado até o fim de 2020. A geração distribuída, aquela que contempla sistemas de até 5 MW localizados próximos ou junta a unidade consumidora, devem representar a maior fatia deste crescimento. A projeção é que a GD cresça 90% passando de 4,4 GW para 8,3 GW. Enquanto a geração centralizada, formada pelas grandes usinas, deve crescer cerca de 37%, passando de 3,1 GW para 4,2 GW.