Destaques Geral

Zema deve privatizar Cemig

Por Adriana Dias e Gabriela Alux da Redação

16 de outubro de 2020

A obra de duplicação no trecho da MG-050 atende a uma antiga demanda da população, que pedia melhorias no acesso à cidade. / Foto: Divulgação

PASSOS – Durante a inauguração de um trecho de 5 quilômetros de duplicação na MG-050 entre 355,5 e 360,7 km, o governador Romeu Zema informou, nesta quinta-feira, 15, que a solução para o caso de problemas de queda de energia em cidades da região, como Capitólio e Piumhi, só deverá acontecer com a privatização da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig).

Nós conseguimos muito investimento para iniciativa privada na geração de energia solar. Minas Gerais, hoje é, disparado, o estado que mais produz energia solar, o problema da Cemig só vai ser resolvido definitivamente com a privatização. A estatal precisa de R$15 bilhões de investimento para colocar em dia a sua infraestrutura. Que é toda a rede de distribuição, a rede de transmissão, que está, de certa maneira, sucateada, sujeita a ter falhas num dia em que a demanda aumenta ou num dia de muito calor que afeta essa estrutura física. Essa privatização vai ser submetida à Assembleia Legislativa, que, no primeiro semestre já estará sendo encaminhada e eu tenho dito, os mineiros têm uma grande empresa que já fez um grande papel, mas que, nos últimos anos, devido a questões, principalmente políticas, há interferências, ela se transformou num fator redutor do desenvolvimento do Estado”, disse Zema.

Ainda de acordo com o governador, “várias empresas gostariam de ampliar a sua capacidade, como os agricultores que não conseguem a energia que eles precisam e o Estado, infelizmente, não tem recursos para colocar lá dentro. E o lucro que a Cemig tem não é suficiente para fazer esses investimentos, mas existem investidores que podem fazer esses R$15 bilhões de investimento gerar muitos empregos, inclusive oportunidades, para quem trabalha na empresa que vai se transformar numa empresa muito maior. Então, nós precisamos enxergar melhor, privatização não é palavrão, privatização é solução. A empresa ser do estado no passado já foi a solução, hoje não é mais. Atualmente está sendo um problema que interfere no desenvolvimento. Essa questão que é fundamental para Minas Gerais, talvez vai ser uma das principais reformas que nós teremos em 2021 e 2022”, garantiu.

A obra de duplicação no trecho da MG-050 em Passos atende a uma antiga demanda da população local, que pedia melhorias no acesso à cidade. Com a conclusão, também haverá redução de acidentes, em decorrência do melhor escoamento de veículos, além do acesso facilitado ao Distrito Industrial, aeroporto e município de Fortaleza de Minas. O secretário de Estado de Infraestrutura e Mobilidade, Fernando Marcato, ressaltou que, além da atração de empresas, a melhoria da rodovia salva vidas.

Somente com essa duplicação de 5 quilômetros estamos falando de uma redução para o sistema de Saúde aqui em Passos de R$2 milhões anuais. Faz sentido ter pedágio. É o melhor dinheiro investido. A gente sabe para onde ele vai, para gerar emprego, desenvolvimento, para reduzir fatalidade. São 26% a menos de morte e 36% a menos de acidentes graves, sem mortes e esta redução vai permitir à prefeitura economizar na saúde, é menos gente que tem que ir para o hospital, é menos gente, menos gasto com saúde e, graças a Deus, menos fatalidade para as famílias e familiares”, disse.

Segundo Marcato, o trabalho em parceria com a iniciativa privada proporciona desenvolvimento para os municípios, sem onerar os cofres públicos.

Essa concessão mostra que esse é o caminho do desenvolvimento. A cada R$100 milhões que serão investidos podemos gerar, em média, 3,5 mil empregos e R$ 18 milhões em arrecadação para os municípios mineiros que se beneficiam da concessão. O desenvolvimento passa necessariamente pela rodovia. Ela é indutora e atrai investimento”, defendeu.


Grupo é barrado durante visita a obra em Paraíso

S. S. PARAÍSO – A passagem de Romeu Zema por São Sebastião do Paraíso, na manhã de ontem, 15, foi marcada por um contratempo com vereadores, empresários e populares. Isso porque o grupo foi impedido de se aproximar do governador durante uma visita à obra de pavimentação da Rodovia Municipal Alcides Pimenta de Souza, que interligará o município ao distrito de Guardinha, antiga reivindicação na região.

O Estado participa da obra por meio de dois convênios, assinados via emenda parlamentar do deputado estadual Antônio Carlos Arantes, que totalizam R$ 900 mil. Ambos já foram pagos integralmente. O valor restante será assumido pela prefeitura. Até dezembro deste ano devem ser concluídos sete quilômetros de asfaltamento, de um total de 12.

Acompanhado do prefeito Walker Américo Oliveira, do deputado estadual Antônio Carlos Arantes, do secretário estadual de Infraestrutura e Mobilidade, Fernando Marcato, e de outras lideranças políticas, Romeu Zema foi até a estrada, que, depois de décadas de espera, enfim está sendo pavimentada.

Ao serem informados de que o governador estaria no local, vereadores, assessores, veículos de imprensa, empresários e um grupo de manifestantes foram até o a estrada. Contudo, ao se aproximarem, eles se depararam com a via interditada e foram impedidos de seguir adiante por policiais militares, guardas municipais e seguranças do governo.

Uma das pessoas que estavam no local registrou imagens do presidente da Câmara de Vereadores, Lisandro Monteiro, tendo o acesso à estrada negado pelas forças de segurança. Em seguida, a manifestante afirmou no vídeo que a ordem de impedir a aproximação do grupo havia sido dada pelo prefeito e pelo deputado Arantes.

À reportagem da Folha da Manhã, o presidente da Câmara lamentou o ocorrido, já que se tratava da inauguração de uma obra pública. Ele ainda afirmou que a decisão de não permitir a aproximação dos vereadores, de parte da imprensa e de populares que fariam manifestações em prol da aprovação do piso salarial para os funcionários da enfermagem e contra a cobrança da taxa de esgoto no município foi desrespeitosa e tinha cunho político.

O líder do Legislativo municipal ainda fez questão de lembrar que, em 2018, durante a campanha eleitoral, Zema esteve em Paraíso e foi recebido por ele e outros vereadores.

Nós o recebemos da melhor forma possível, conversamos com ele e oferecemos apoio. Agora, ele voltou como governador, a convite do deputado, e não recebeu nenhum vereador. E fez o mesmo com as outras pessoas que estavam lá. Isso realmente é algo lamentável, porque somos representantes do povo paraisense”, disse Monteiro.

Em nota emitida no início da tarde de ontem, o prefeito Walker Américo Oliveira esclareceu que apenas pessoas credenciadas poderiam acompanhar o governador durante a visita.

O credenciamento ficou a cargo da assessoria do governo, que adotou rígidos protocolos em razão da pandemia da covid-19 e limitou a quantidade de pessoas credenciadas para acompanhá-lo, a fim de evitar aglomerações e garantir a segurança de todos”, explicou.

Ainda segundo o prefeito, candidatos a qualquer cargo nas próximas eleições também não puderam se credenciar para compor a comitiva, e os veículos de comunicação que contataram a Prefeitura, a equipe do deputado Arantes ou a assessoria do governador foram recebidos no local da visita, onde Zema concedeu entrevistas.

Foto: Divulgação