Cidadania Destaques

Voluntários reformam casas em Capetinga

Por Ézio Santos/ Especial

9 de janeiro de 2021

Foto: Divulgação

CAPETINGA – Um grupo de aproximadamente 30 famílias carentes está sendo beneficiado por uma equipe de voluntários que assumiu, no final de 2020, a execução das obras de reforma das casas que ocupam toda a extensão de uma via pública localizada distante da área central de Capetinga. A previsão é de que, no máximo até fevereiro, os mais de 70 moradores voltem a ocupar seus lares, já reformados.

A educadora da rede municipal de ensino Zenaide Aparecida Faleiros, fundadora dos ‘Semeadores da Esperança’, conseguiu reunir vários amigos que passaram, nas horas vagas, a prestar ações voluntárias assistenciais a várias famílias do município.

Uma cidade de sete mil habitantes também tem muitas pessoas que passam por necessidades e sem ter alimentos, roupas e até uma moradia digna. Então, a união entre gente do bem, e do coração bom, dá resultado fantástico. Ao longo de muitos anos, estamos praticando o ato de caridade para os mais necessitados, e não tem data para cruzarmos os braços. Faz bem para os irmãos necessitados, e ainda nos sentimos um pouco realizados”, ressaltou.

Zenaide contou que a amiga, e também professora municipal Hélia Aparecida Domingos, é a outra fundadora dos ‘Semeadores da Esperança’. Em 2019, teve a ideia de formar um grupo no WhatsApp e hoje conta com mais de 125 membros.

A partir daí, fomos descobrindo pessoas maravilhosas que passaram a nos ajudar muito. Outro detalhe importante é o aparecimento de profissionais gabaritados como pedreiros, serventes, pintores, eletricistas, serviços gerais e muitos outros, que passaram a ser voluntários. Foi uma bênção de Deus para todos”, afirmou.

Para que as casas fossem reformadas, Zenaide revelou a criação do projeto ‘Se Essa Rua Fosse Minha’, alusiva à travessa São Vicente, onde se localizam 28 moradias que foram escolhidas para receber as melhorias.

Falta pouca coisa para que o serviço seja concluído. Interrompemos as obras a pedido da Vigilância Sanitária de Capetinga por causa das aglomerações e o aumento dos casos da covid-19, mas se não houver contratempo, até o início de fevereiro todas estarão novinhas, inclusive pintadas”, discorreu.

De acordo com a fundadora do grupo ‘Semeadores da Esperança’, nos finais de semana, feriados, ou até mesmo em dias de semana, voluntários, com a ajuda das famílias, concretaram calçadas, quintais, trocaram telhados, portas, pias, vasos sanitários e janelas, além de rebocar paredes externas e internas. Muitas casas estavam com as redes elétrica e hidráulica expostas ou estragadas, mas todas foram reparadas, conforme a necessidade.

As contribuições espontâneas por parte da população capetinguense é o que mais impressiona Zenaide.

Nosso povo é muito generoso. Tudo que a gente pede, ao menos um pouco, todos colaboram. Para se ter uma ideia, todo o material de construção aplicado na obra está garantido. Quero agradecer aos comerciantes, empresários, ruralistas e principalmente aos proprietários de depósitos que nos venderam as mercadorias a preço de custo, além de doarem muita coisa. Os cerca de 40 voluntários, então, foram de suma importância para concretizar o nosso projeto. Deus vai abençoar os colaboradores para que tudo dê certo”, declarou Zenaide.


Campanhas

O principal objetivo do grupo de voluntários dos ‘Semeadores da Esperança’ é prestar assistência às pessoas mais necessitadas de Capetinga. Quando Zenaide iniciou o trabalho filantrópico, conseguia atender mais de 30 famílias carentes com alimentos, roupas, calçados, medicamentos, exames, pagamento de luz, água, e tudo que se refere às necessidades básicas do ser humano.

Com a ajuda da comunidade, a professora passou a promover campanhas anuais para arrecadação de itens como materiais escolares, alimentos da cesta básica, cobertores, produtos de limpeza, higiene pessoal, brinquedos e guloseimas em geral. “Graças a Deus conseguimos arrecadar muito mesmo. Dá para beneficiar muitas famílias. Enquanto tivermos o senso de colaboração coletiva, não desistiremos jamais”, destacou Zenaide.

NO FINAL DE 2020, VOLUNTÁRIOS E MORADORES TRABALHARAM EM REGIME DE MUTIRÃO
PROMOVENDO DIVERSAS MELHORIAS em casas de região afastada da área central