Destaques Moda

Virada de ano

POR WAGNER PENNA / Especial para a Folha

28 de dezembro de 2020

Modelos lançados pela SPFW em 2020. / Foto: Divulgação Foto: Marcelo Soubhia/Fotosite

O ano termina com um balanço fashion pequeno em termos de faturamento nas pequenas empresas, algum crescimento em marcas que melhor trabalharam com o e-commerce (incluindo fusões e compras surpreendentes de marcas) – e com uma força criativa incrível.


O que você também vai ler neste artigo:

  • Divisor de águas
  • Fim do supérfluo
  • Brechós

Todos os eventos da temporada, sejam eles dedicados à moda habitual quanto aqueles que propõe algo diferenciado (como um pegada sustentável mais forte). A novidade maior ficou por conta do formato de apresentação das coleções, através de vídeos, filmes & afins. O presencial praticamente foi extinto por causa da pandemia.

Nesse quadro, há de se destacar o esforço da São Paulo Fashion Week (principal evento de moda do pais), que driblou esses tempos de dificuldades mostrando coleções criativas. Com um line-up renovado, o evento chegou aos seus 25 anos mostrando que tem vigor para prosseguir firme em sua carreira de plataforma multiplicadora da moda brasileira. Dito isso, vamos torcer para em 2021 tudo retorne, gradativamente, ao seu ritmo natural. Amém!

Divisor de águas

É um fato que a pandemia do novo coronavírus virou o mundo da moda de ponta-cabeça e tem transformado profundamente o setor, que andava a passos largos e em constante crescimento. Esse ineditismo na indústria representa um catalisador da mudança: a covid-19 vai nos forçar a rever valores e mudar hábitos enquanto sociedade. Há um reset, uma espécie de um divisor de águas capaz de provocar mudanças profundas, principalmente, no comportamento das pessoas no que tange ao consumo de moda, um novo olhar mais atento e crítico em relação a tendências, marcas e atitude.


Fim do supérfluo

Segundo Isabella Fiorentino – modelo, consultora de estilo e apresentadora –, as pessoas estão expandindo sua consciência e perceberam que não precisam de tudo o que têm no guarda-roupa; chegou a hora de tirar o ‘supérfluo’. Isabella acredita que o desejo de moda sempre existirá, mas as pessoas poderão ter acesso à moda sem possuí-la. Por exemplo, o mercado de aluguel (Rent the runway) está crescendo muito! “Pessoas alugam peças da passarela e, se gostarem, têm opção de compra-las”, explica ela.


Brechós

Isabella reforça, ainda, outra tendência que já é uma realidade: os brechós ganham peças icônicas, muitas vezes usadas apenas uma única vez.

O guarda-roupa compartilhado em redes sociais também vem forte. O patriotismo vai falar mais alto na hora da compra: marcas nacionais serão fortemente apoiadas pelos seus clientes. E o calendário de lançamentos será revisto, ganhando um modelo mais sustentável e tendo menos coleções anuais. Ganhamos todos: mais qualidade e mais sustentabilidade”, complementa a apresentadora.