Destaques Geral

Violência doméstica aumenta 27% em junho

Por Laura Abreu / Especial

20 de julho de 2020

Foto: Divulgação (Agência Brasil)

PASSOS – Os casos de violência doméstica contra as mulheres aumentaram 27,23% em junho na região, na comparação com o mesmo período de 2019. Foram 213 casos registrados no passado e 271 neste ano. Os dados são da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública de Minas Gerais (Sejusp-MG). São Sebastião do Paraíso, Passos e Cássia são as cidades que registraram o maior aumento.

O que você também vai ler neste artigo:

  • Cramp tem 277 mulheres cadastradas

Em Paraíso e Passos também é possível observar uma elevação gradual de ocorrências desde abril. Na primeira cidade, foram registrados 35 casos em abril; 47 em maio; e 81 em junho. Já no território passense, foram 62 denúncias em abril; 69 em maio; e 74 em junho.

No entanto, se comparado o período de janeiro a junho dos dois anos, é possível observar uma diminuição de 9,11% nos casos na região, uma vez que no primeiro semestre de 2019 foram registrados 1.690 denúncias e, em 2020, foram 1.536 registros.

O período de isolamento social que o país vive devido à pandemia do novo coronavírus está fazendo muitas famílias conviverem por mais tempo dentro de casa, seja pela perda de emprego ou pela adoção do trabalho remoto. Isso pode explicar o aumento no número de denúncias em junho, segundo Elaine Maia Nascimento, presidente do Conselho Municipal de Direito da Mulher, advogada e integrante do Projeto Luz, que oferece orientação jurídica gratuita e sigilosa para as vítimas de violência doméstica.

A gente acredita que realmente aumentaram os casos de agressão por conta deste convívio mais próximo. Aumenta a instabilidade emocional de todo mundo, aumenta a convivência e a agressão. Os perigos para as mulheres que convivem com seus agressores são muito grandes, pois elas, em sua maioria, já eram isoladas por eles do convívio com seus familiares e amigos. Agora, a situação se agrava, pois, para elas, o distanciamento social é ainda maior, o que, por consequência, tornarão piores as suas perspectivas de denunciar ou procurar ajuda na rede de atendimento pública”, pontuou.

A presidente cogita, ainda, que pode haver subnotificação dos registros, uma vez que “estudos apontam que o número possa ser três vezes maior, porque há diversas questões envolvidas até que a mulher decida romper o ciclo em que ela está presa em relação à violência doméstica familiar”.

Em caso de violência, as mulheres podem denunciar e buscar atendimento por meio do site da Delegacia Virtual (www.delegaciavirtual.sids.mg.gov.br) lançado pela Polícia Civil de Minas Gerais. Também podem denunciar no número 190, no canal nacional 180 ou na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), localizada na avenida Arouca, número 753. Em Passos, as mulheres contam ainda com o Centro de Referência e Atendimento à Mulher de Passos (CRAMP), localizado no mesmo prédio da Deam, que oferece um atendimento multidisciplinar de psicólogo, advogado e assistente social. O Cramp também oferta ajuda para as mulheres em outras situações, como saúde e educação.

Cramp tem 277 mulheres cadastradas

PASSOS – Segundo a secretaria municipal de Desenvolvimento Social, Trabalho e Renda, Tatiane Capute, o Cramp tem uma parceria com a Polícia Militar, que disponibiliza uma equipe para atuar na Patrulha de Prevenção à Violência Doméstica (PVC). Essa patrulha realiza visitas preventivas direcionadas aos agressores e às vítimas, por meio dos boletins de ocorrência com maior reincidência e em casos de maior risco. O projeto, que se iniciou em 2018, mas estava parado desde 2019 por falta de profissionais, retornou em maio de 2020 e contribui para a não repetição da violência, pois propõe o acompanhamento da vítima e a conscientização dos agressores.

O Cramp tem, atualmente, 277 mulheres cadastradas e foi constatado que a maioria sofre violência do companheiro e ex-companheiro, sendo que as mais frequentes são a física e a psicológica, seguidas de ameaça moral. Boa parte dessas mulheres possui de 36 a 45 anos. Dentre elas, há um número significativo que não são dependentes financeiramente de seus companheiros.