Destaques Opinião

Um mundo novo nos aguarda

POR LUIZ GONZAGA FENELON NEGRINHO

26 de outubro de 2020

Hoje parece um dia como outro qualquer. Mas não é. Disso dou certeza. Vou ser parte modificadora dos processos pelos quais tenho que passar. Atos, palavras, procedimento. Bem sei. Não vai ser fácil. Muitos os empecilhos.
Na verdade – ainda que se queira – não posso fazer muito. Mas a mim cabe uma coisa importante: fazer a minha parte. Pode parecer muita pretensão querer ser e fazer mais que posso. Mas eu quero, eu posso. Eu sou!

É isso. Vou fazer minha cota-parte. O que a mim couber. E tenho certeza. Se todos fizerem a sua parte, o mundo será melhor. Maravilhas vão acontecer. Céus e terras se abrirão. Mares e oceanos serão transpostos pela fé e coragem.
As manhãs serão prazenteiras e risonhas. Glórias exultantes no esplendor de resultados. Como todos que acreditam no poder transformador. Isso sim. Podemos fazer de cada momento um espetáculo de grandeza. Um mundo melhor. Mais solene. Mais organizado, esquemático e respeitador. Como dizem os latinos de antigamente: “dar a cada um o seu”. Todos se unindo e se respeitando. E se amando em prol de nobres ideais.

Para isso é preciso contribuição e cooperação de todos. Que tal? É difícil? Não! Mil vezes não! Sonhar e fazer é preciso! A nau dos sonhos continuamente vai singrar águas nunca antes navegadas. Vejamos: uma caminhada não começa com um pé e um passo? Uma mudança pode então começar com um querer. Com a força do “eu quero”. Isso, positivamente, nos aproxima de frutíferas realizações.

Portanto é justo que assim seja. Afinal, como em “Desiderata”, “sou filho do universo, irmão do sol e da lua”. E de tudo e de todos que habitam esse planeta. Das montanhas, árvores e florestas, tenho-as em comunhão. Posso banhar-me, em espírito vivificador, em águas dos lagos, rios e riachos. E me encher de infinitas bênçãos.
Sou parente distante das estrelas e dos astros. Certa vez, Amelinha cantou bonito “Foi Deus quem Fez Você”.

Podemos, sim, ser o seresteiro para conversar com as estrelas. Elas que nos fitam e nos guiam lá do alto! E tenho como companheiros os asteróides. Vira e mexe estão por aqui. Vêm do alto para anunciar as boas novas.
Já sei, a notícia de última hora é que o dia de hoje vai ser bom. Muito bom: construtivo, produtivo, edificante. Depois da tomada de posição, da atitude mental positiva, vejo-me como homem novo, restaurado, revigorado.

Que bom que tenho alguém para compartilhar alvissareiros e antecipados sucessos. O sucesso de que “eu posso”, “eu vou”, “eu sou”, “eu tenho”… Sobretudo amigos e parceiros para dizer ao mundo, a todo mundo, que sou um vencedor! Mais que vencedor! Venham então comigo! Vamos formar o maior e o melhor time universal de todos os tempos: União Futebol Clube!

Eu creio nisso. Você crê? Não perca tempo. Pegue garupa. Tome rabeira. Monte o corcel da esperança. Sempre cabe mais um no arsenal de um veículo que transcende estradas, rompe barreiras supersônicas e se ergue para brilhar e abrilhantar-se no plantel dos sonhos nunca antes sonhados! Como se diz em bom latim: “Certa victoria!” Na justeza da harmonia de ardorosos acontecimentos: a vitória é certa! PS: Especial para Célio Kennedy Lima Rocha.

LUIZ GONZAGA FENELON NEGRINHO, advogado trabalhista e previdenciário, com escritório em Formiga, escreve aos domingos nesta coluna.