Destaques Literatura

Um maluquinho de 40 anos

10 de outubro de 2020

Foto: Divulgação

Muitos artistas costumam ser reconhecidos por uma obra específica, seja na música, no cinema ou no teatro. Não quer dizer que não tenham outros trabalhos que mereçam destaque. Assim é com Ziraldo, que tem seu nome ligado ao mundo da literatura infantil, com os mais diversos títulos povoando a imaginação da criançada. Mas não tem como não falar o nome dele e logo citar sua obra mais popular, O Menino Maluquinho. Livro, aliás, que está completando 40 anos desde seu lançamento, em 1980.

Entre as merecidas comemorações, será lançada uma edição especial, limitada e de luxo, pela Editora Melhoramentos. E a comemoração é dupla, pois o ‘pai’ do Menino Maluquinho também faz aniversário. Ele completa 88 anos no dia 24 de outubro, mesma data em que lançou seu livro mais citado. Passando de geração em geração, O Menino Maluquinho traz a história de um garoto, entre seus 8 e 9 anos, muito esperto, ativo, que usa uma panela na cabeça e se diverte muito com os amigos, sempre usando demais a imaginação, criando brincadeiras e aprontando traquinagens. “Era uma vez um menino que tinha o olho maior que a barriga, fogo no rabo e vento nos pés.” A frase abre o livro que apresentou ao mundo um dos mais queridos personagens brasileiros.

Diz a lenda – e o próprio Ziraldo – que a inspiração para criar o menino surgiu espontaneamente, enquanto ele fazia a barba e falava consigo mesmo olhando no espelho. Criado pelo cartunista tanto em texto quanto em imagem, Maluquinho rapidamente foi para as tiras e quadrinhos, onde ganhou turma. Destaque, inclusive, para sensível e espevitada Julieta, que ganhou até revista própria na primeira década dos anos 2000.

O próprio Ziraldo, apesar de amarrado por ele, não considera O Menino Maluquinho um sucesso tão retumbante entre as crianças. “Tem mercado para o Menino Maluquinho, mas é cult. O Maluquinho é cult. Em histórias em quadrinhos infantis, no Brasil, só o Maurício de Sousa conseguiu se firmar. Ele já faz parte do inconsciente coletivo. As crianças já conhecem Maurício, porque os pais já conheciam o Maurício”, afirmou Ziraldo em entrevista em 2000.

Tanto é seu sucesso com o público jovem, que O Menino Maluquinho saltou das páginas do livro para as telas do cinema e os palcos dos teatros. Foi transformado em filme, dois na verdade, protagonizado pelo então ator-mirim Samuel Costa e dirigido por Helvécio Ratton, em 1995, e o outro, que contou com a direção de Fernando Meirelles, lançado em 1998. No teatro, chegou em formato de musical, em 2014, com o ator João Lucas Martins no papel do Maluquinho, contando com direção de Daniela Stirbulov.

Essa nova edição será um item digno de colecionador, com suas 120 páginas, acabamento cartonado, capa dura e miolo colorido. E tem, como complemento, um marcador de páginas especial, ao estilo do personagem, além de um paper art, que o leitor destaca e monta, formando um objeto ser guardado. Desde seu lançamento, em 1980, já teve 129 edições, em mais de 10 países, e vendeu 4 milhões de exemplares