Destaques Do Leitor

Solidão gera autoconhecimento

2 de dezembro de 2020

A incerteza, o medo e a ansiedade são sentimentos comuns que surgem em momentos de insegurança, pois muitas vezes o confinamento nos leva ao pensamento, e quase nunca nos vem uma boa lembrança. Todos sabem a dificuldade de ficar sozinho em casa, pois às vezes não estamos preparados e o tédio nos enlouquece, ou até mesmo pelo fato das pessoas não terem o autoconhecimento e acabar entrando em contato consigo mesmo sem poder culpar os outros.

Eu vejo muitas pessoas falando que está ficando difícil, que o tempo demora para passar e que o dia está ficando chato, mas isso é por estarem sendo obrigados a se conhecerem e isso assusta, apavora; e, por experiência própria, o autoconhecimento é importante, principalmente em momentos delicados em que é preciso empatia.

Agora que não podemos mais visitar ninguém, nem festas nem bares, que não tem mais outras opções, a melhor é se conhecer. Eu sei que para algumas pessoas é difícil, e sei também que esse sentimento de não ter ninguém incomoda, pois não se sentir parte da sociedade é triste, mas eu te pergunto, quantas vezes você já fez isso com outras pessoas? Há quantos séculos estamos isolando os negros, os gays, as mulheres, os deficientes, os pobres, determinadas religiões e muitas outras classes da sociedade e achávamos que isso era “normal”?

Já parou para pensar que é assim que o menino do farol se sente quando você fecha a janela e olha para o outro lado? Ou até mesmo quando o morador de rua te pede dinheiro para comer e você finge que não tem ninguém parado na sua frente? E é assim que a criança que sofre bullying na escola se sente, isolado, sozinho e excluído. A única diferença é que, nessas situações, você é o vírus.

Nós reclamamos por estarmos isolados há alguns meses, mas tem pessoa que vive isolada há anos, sem motivo e sem razão, por nossa culpa. Então, que fique a reflexão: durante esta pandemia, aproveitemos para aniquilar mais de um vírus, aquele que está à solta atacando o pulmão de algumas pessoas e aquele que está dentro de nós, matando muitas outras.

Gabriel Otero Freire – Passos/MG