Destaques Geral

Sind-UTE denuncia pressão do Estado

18 de Maio de 2020

Foto: Divulgação

PASSOS – A Subsede Regional de Passos do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE) está denunciando a pressão do governo do Estado para a volta das aulas na rede pública estadual, mesmo que por meio de estudo remoto emergencial. Além de diretores e coordenadores de escolas, também os auxiliares de serviços básicos (ASBs) estão sendo convocados para trabalhar de forma presencial (muitos já começaram esta semana); os demais (como professores) vão atuar pelo chamado “teletrabalho” para dar suporte aos alunos que terão de estudar pela internet, com aulas ministradas pela Rede Minas de Televisão e aplicativos.

Há uma série de problemas com essa volta às aulas a partir do dia 18 de maio, a começar que estávamos em plena greve no Estado sem ter, ao menos, uma negociação decente por parte do governo de Romeu Zema, passando também pela questão da quebra do isolamento de milhares de trabalhadores e pela qualidade e abrangência do ensino que será oferecido remotamente”, disse a coordenadora regional do Sind-UTE Passos, Maria Antônia Mourão Barbosa Fonseca, informando que o Sindicato entrou com mandado de segurança coletivo esta semana para que o governo pague o salário integral de abril com os recursos da Educação.

Segundo ela, entre outras questões, todos os trabalhadores da Educação (ativos e inativos) não têm nem data para receber o pagamento de abril; cerca de 50.000 servidores da Educação ainda não receberam o 13º de 2019; e, para muitos desses trabalhadores a volta ao trabalho significa quebrar o isolamento social recomendado pelas autoridades sanitárias durante a pandemia, que agora atinge um dos níveis mais preocupantes no país e no Estado de
Minas Gerais.