Destaques Geral

Setor de festas tenta sobreviver à pandemia após impacto negativo

21 de outubro de 2020

Foto: Divulgação (Agência Brasil)

Passos – Apesar do município estar na onda verde e permitir ainda mais flexibilizações no comércio da cidade, o ramo de buffet e festas ainda não possui permissão para funcionamento. Os empresários do setor de eventos seguem enfrentando dificuldades para manter a atividade, após oito meses de quarentena. Neste período, praticamente todas as festas e comemorações foram canceladas ou adiadas, ocasionando prejuízo para o segmento.

Um levantamento feito pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), ainda em abril, mostrou que a pandemia do coronavírus afetou 98% do setor de eventos. Para tentar amenizar os efeitos da crise, empresários tentam negociar prazos: 34% devolveram o dinheiro para o contratante, mas 35% deles contam que conseguiram negociar crédito para utilizar futuramente. A assessora e cerimonialista Maíra Luiza Alves comenta sobre resultados após 210 dias trabalhando apenas em home office.

No comparativo com o ano de 2019, a queda foi drástica, uma vez que na nossa região as festas são superiores a 200 convidados e, por isso 97%, tiveram que ser adiadas. Estamos em um período delicado, todos estamos tentando ‘reinventar a roda’. Vários buffets estão trabalhando com delivery, Djs e cinegrafistas trabalhando em lives e por aí vai. Cada um, a sua maneira, lutando para não fechar as portas, afinal, até o momento somos um dos poucos serviços que ainda não retornou às atividades de forma gradativa”, comentou Maíra.

Webert Messias dos Santos, gerente de um buffet, comentou que seu estabelecimento de comida está funcionando normal, mesmo com as festas não ocorrendo.

Estamos seguindo com as restrições, temos limite de quatro pessoas no local, além de ser obrigatório o uso de máscaras. Com isso, o delivery está funcionando normalmente e outro dia até veio um casal com crianças e trouxe um bolinho simbólico”, comentou.

O gerente declarou que antes da pandemia, cerca de 40 festas eram feitas em seu estabelecimento. José Roberto Garcia, responsável por um outro buffet em Passos, afirma que está tudo parado.

Temos três espaços aqui e, antes, muitas pessoas alugavam até mesmo o salão do lado de dentro. Então não tem comparação com o momento de agora, que não está funcionando”, disse. Luciene Deodato, proprietária de um salão de festa e buffet, comentou que teve 100% de queda e muito prejuízo com o setor ao suspender atividades desde o dia 17 de março, mas que agora se prepara com treinamentos adequados.

Ficamos sem faturamento algum com as suspensões, pois não dá para fazer nada. Houve um cancelamento e tivemos que remarcar todas as festas programadas. Ainda não temos nada definido, mas estamos muito ansiosos para voltar às atividades. No entanto, entendemos a gravidade da situação e, por isso, estamos nos preparando com treinamentos e proteções adequadas para que tanto os convidados quanto a nossa equipe estejam em um ambiente seguro e confiável”, contou.

Para Maíra a expectativa é que os eventos retornem em breve. “O setor está unido e lutando para que esse retorno seja breve. Elaborando protocolos das equipes, treinamentos dos integrantes com o máximo de cuidado para que os sorrisos continuem e os sonhos voltem a acontecer. Tudo será executado da forma considerada mais segura e todos temos ciência que o jeitinho brasileiro não poderá acontecer, se o permitido por 50, 60 ou 70 convidados, assim será. Tudo está sendo elaborado com o máximo rigor, sob olhares atentos. Com muita fé e crendo num amanhã melhor, espero uma volta em grande estilo, mesmo sabendo que isso será de forma gradual e com muito zelo por tudo aquilo que amamos”, finalizou.