Destaques Geral

Seminário reúne produtores de leite de Minas e importadores

20 de julho de 2021

O objetivo do seminário é apresentar o segmento lácteo mineiro ao novo mercado internacional. / Foto: Divulgação

BELO HORIZONTE – O governo de Minas, por meio das secretarias de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e de Desenvolvimento Econômico (Sede), promove, nesta terça-feira, 20, o primeiro dia do seminário online “Oportunidades comerciais internacionais para a indústria láctea de Minas Gerais”, que tem início às 9h.

Feito em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) e com o Sindicato da Indústria de Laticínios de Minas Gerais (Silemg), o evento vai reunir representantes de indústrias, cooperativas, associações e agroindústrias com o objetivo de apresentar o segmento lácteo mineiro a novos mercados internacionais. A transmissão será pelo cana da Seapa no YouTube.

Participam desta rodada adidos agrícolas e o setor de promoção comercial das embaixadas brasileiras de Chile, Egito, México e Peru, além de representantes do setor importador destes países, cujos mercados estão abertos à importação de lácteos do Brasil e já possuem protocolos estabelecidos e acordos assinados pelo governo federal.

Segundo o diretor de Promoção de Exportações da Sede, Marcello Vinícius de Oliveira Faria de Araújo, a seleção dos países levou em conta o fato de serem mercados abertos para os produtos brasileiros, mas que são pouco explorados pela indústria estadual de lácteos.

O evento busca corrigir essa assimetria que existe no conhecimento das indústrias sobre potenciais mercados que são estratégicos, de modo a aproveitarmos as lacunas de oportunidades comerciais que estão abertas para o segmento de lácteos”, afirma o diretor da Sede.


Exportação de lácteos

O seminário busca, também, equalizar o potencial produtivo do estado e sua capacidade de fornecimento de produtos lácteos com a demanda existente lá fora. Minas Gerais é a principal bacia leiteira do Brasil, com produção anual de mais de 9 bilhões de litros, representando 27% da produção nacional de leite. Além de contar com grandes laticínios, o estado possui mais de 42 mil estabelecimentos agropecuários com agroindústrias, investindo na produção diversificada de queijos, requeijão, manteiga, doce e creme de leite.

Apesar da liderança na produção nacional de leite, da diversidade de produtos e da qualidade, o segmento dos lácteos ocupa uma fatia pequena na pauta de exportações do agronegócio mineiro. Em 2020, as vendas externas do setor alcançaram US$ 16,15 milhões, representando apenas 0,2% do valor total exportado pelo agronegócio do estado. Entre os quatro países que participam do workshop, Minas comercializa lácteos apenas com o Chile, que importou US$ 922 mil em queijos no ano passado.

Segundo o superintendente de Inovação e Economia Agropecuária da Seapa, Carlos Eduardo Oliveira Bovo, o workshop foi preparado para atender dois tipos de públicos – os laticínios que têm interesse, mas ainda não exportam, e aqueles que já mandam sua produção para o exterior, mas querem ampliar o alcance de seus produtos em novos mercados.

Em parceria com as embaixadas brasileiras, foram organizados cinco painéis, em que serão apresentados o panorama e o perfil das exportações do setor lácteo mineiro, além das orientações para o cumprimento dos requisitos fitossanitários nacionais, do país importador e trâmites aduaneiros. Além disso, cada país participante terá um painel, no qual serão apresentadas informações como características de mercado e o perfil do seu consumidor”, explica o superintendente Carlos Bovo.