Destaques Esporte

Seleção masculina de vôlei vence a Tunísia por 3 a 0 na estreia em Tóquio

26 de julho de 2021

Jogadores da seleção brasileira comemoram ponto contra a Tunísia nas Olimpíadas de Tóquio

TÓQUIO – A seleção brasileira masculina venceu a Tunísia por 3 a 0 na estreia do vôlei nas Olimpíadas de Tóquio, na Ariake Arena, em partida iniciada na noite dessa sexta-feira (23). Com parciais de 25×22, 25×20 e 25×15, os comandados de Renan Dal Zotto saíram na frente do Grupo B, que conta também com Estados Unidos, Argentina, França e Rússia.

Um dos destaques da partida foi Douglas Souza. O ponteiro do Taubaté entrou no segundo set e contribuiu para a construção do placar na reta final da partida. O próximo desafio dos comandados de Renan Dal Zotto será na segunda-feira (26), quando a seleção enfrenta a Argentina às 09h45 (de Brasília).

Ao contrário do que se esperava, o Brasil não teve facilidade nos dois primeiros sets no confronto que abriu o caminho para a seleção de Renan Dal Zotto que vai em busca da quarta medalha olímpica. Em 1992 (Barcelona), 2004 (Atenas) e 2016 (Rio 2016), os brasileiros alcançaram o lugar mais alto do pódio.

No primeiro set, os adversários deram muito trabalho e, inclusive, abriram boa vantagem no início da partida. Porém, após muito suor, o Brasil venceu por 25 a 22, com bloqueio do ponta Lucarelli.

No segundo, mais sufoco e os comandados de Dal Zotto totalmente aéreos em quadra. Após verem os rivais abrirem 15 a 11, os brasileiros voltaram o foco, viraram o marcador, cresceram na partida e, embalados pela força de Wallace, Lucão e Douglas, fecharam por 25 a 20.

No terceiro e último, um confronto bem diferente. Com outra postura e gás renovado, o time de Dal Zotto, de cara, abriu 18 a 8 no placar e, com ampla vantagem, soube administrar o duelo até o final e vencer o último set por 25 a 15.

Com o triunfo sobre os tunisianos, o time brasileiro aumentou o tabu sem derrotas em estreias nos Jogos; o último revés foi no debute em Atlanta, em 1996. Além disso, esta foi a quinta vitória consecutiva do Brasil, considerando também a campanha no Rio-2016.

Símbolo da geração de prata em Los Angeles-1984, o hoje técnico Renan Dal Zotto, de 60 anos, agora tem a missão de manter a forçaa deixada pela antecessor Bernardinho, que, em 16 anos, levou o time a três finais olímpicas, conquistando duas delas (Atenas-2004 e Rio-2016).