Destaques Esporte

Sampaoli adota tom de despedida no Galo

18 de fevereiro de 2021

Em conversas reservadas, grupo de trabalho tem explicitado a possibilidade cada vez mais concreta de deixar o clube. / Foto: Divulgação

BELO HORIZONTE – Está mais próximo o fim do ciclo de Jorge Sampaoli no Atlético. Em conversas com pessoas de seu círculo mais íntimo, o treinador tem explicitado a possibilidade cada vez mais concreta de deixar o clube após o Campeonato Brasileiro. Já há um sentimento de despedida do país do técnico e de seu grupo de trabalho.

Nos bastidores, o treinador diz que gostaria de ter conquistado um grande título com o Atlético – venceu o Campeonato Mineiro, em decisão contra o Tombense. O Galo já não tem mais chances de levantar a taça do Brasileirão. A meta agora é terminar entre os quatro primeiros e garantir vaga direta na fase de grupos da próxima Copa Libertadores. O estafe de Sampaoli afirma que, caso a saída se confirme, seguirá “torcendo pelo Atlético de longe”.

Uma fonte informou que as tratativas com o Olympique de Marseille estão muito próximas de serem finalizadas. Já há concordância entre o técnico e o clube nos principais pontos, faltando pequenos detalhes – o argentino é exigente e, por isso, pormenores podem virar grandes problemas. Certo é que Sampaoli ainda não assinou contrato com os franceses.

O OM ainda não confirma a proximidade do acordo com o treinador, que deve se posicionar sobre o tema após o término do Campeonato Brasileiro, neste mês de fevereiro. O fato novo é que Jorge Sampaoli também tem em mãos uma proposta do Al-Hilal, da Arábia Saudita, conforme antecipou o Superesportes. O clube demitiu o treinador Razvan Lucescu e tem como principal alvo o atual técnico do Atlético.

A permanência do comandante argentino em Minas Gerais tem se tornado cada vez mais improvável. Na última entrevista coletiva, Sampaoli não garantiu seguir no Atlético após o término da temporada.

Não sei, o futebol muda a todo tempo, é muito instável, ainda mais nesse país. Treinadores duram muito pouco, não se consolidam muito os projetos. Resta a mim pensar somente no próximo jogo, tentar fazer com que o time chegue mais longe na tabela. O resto é indecifrável. Se formos analisar historicamente, o que acontece com os treinadores no Brasil é a instabilidade. Se ganho, sou o melhor; se não ganho, sou o pior”, disparou.

A diretoria do Atlético tem evitado declarações públicas sobre o futuro do treinador argentino. Desde quando o presidente Sérgio Coelho assumiu o clube, no início do ano, o projeto era renovar o contrato com Jorge Sampaoli. Houve uma proposta, mas ela foi recusada pelo argentino. Depois, o Galo começou a estudar alternativas no mercado para uma substituição. O nome de Renato Gaúcho foi sondado.