Destaques Geral

Saldo do emprego formal ficou em 1.055 novas vagas em 2020

Por Mayara de Carvalho / Redação

29 de janeiro de 2021

Foto: Divulgação

PASSOS – A região fechou 2020 com saldo de 1.055 novos postos de trabalho. Segundo informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta quinta-feira, foram 27.525 contratações com carteira assinada e 26.470 demissões. Passos, com 367 novas vagas, Guapé (267) e Monte Santo de Minas (209) apresentam os melhores desempenhos na geração de emprego no ano passado.


Você também pode gostar de:

Região registra 8,5 mil casos de violência contra a mulher em três anos

São Sebastião do Paraíso (30) e Piumhi (36) também registraram balanços positivos no mercado de trabalho. Em Capitólio, foram 942 desligamentos e 727 admissões ao longo de 2020, o que representa o fechamento de 215 empregos formais e o pior resultado na região, seguido por Claraval (-101) e Ibiraci (-60).

No mês de dezembro de 2020, o saldo do emprego na região ficou negativo, com fechamento de 502 vagas de trabalho, resultado de 1.879 admissões e 2.380 demissões nas 27 cidades. Em Passos, foram 206 vagas a menos. O setor que mais demitiu na cidade, em dezembro, foi a indústria (-275), seguido por serviços (-32), construção civil (-6) e agropecuária (-4). Capitólio registrou fechamento de 108 postos e Paraíso, 64.

Com uma população de cerca de 8,1 mil pessoas e uma economia baseada na agropecuária, comércio, serviços e turismo, Capitólio registrou 166 demissões no setor de serviços em dezembro e 47 contratações, o que representa o fechamento de 119 postos de trabalho. A cidade teve saldo negativo (-108) no mercado de trabalho em dezembro. Na agropecuária, o município também demitiu mais do que contratou (-3) e no comércio foram geradas 14 novas vagas. A indústria fechou dezembro de 2020 com cinco contratações e cinco demissões.

Em São Sebastião do Paraíso, o mercado de trabalho perdeu 64 postos em dezembro de 2020 e o município ficou em terceiro lugar no fechamento de vagas no período, seguido por Delfinópolis (-51), Guapé (-48), Itaú de Minas (-34) e Jacuí. Em Piumhi, no último mês de 2020, foram 190 demissões e 184 contratações.

Ibiraci, no último mês do ano, registrou saldo negativo (-4) na geração de emprego. O município apresenta o terceiro pior desempenho no acumulado do ano na região, com perda de 60 postos de trabalho, seguido por Itaú de Minas (-33) e Pratápolis (-33). Em Itaú, o setor de construção fechou 66 vagas em dezembro de 2020. Nos municípios de Jacuí (-16), Nova Resende (-11), Bom Jesus da Penha (-10), São Tomás de Aquino (-4) e Pratápolis (-3), o balanço do emprego formal também foi negativo em dezembro.


Em Minas, saldo do emprego foi de 32,7 mil

BELO HORIZONTE – Minas Gerais teve saldo de 32.717 novos postos formais de trabalho em 2020, resultado da admissão de 1.598.742 e do desligamento de 1.566.025 de trabalhadores, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia, divulgados nesta quinta-feira, 28.

O Estado ficou em 4º lugar no ranking da geração de emprego no país, atrás de Santa Catarina (53.050), Paraná (52.670 e Pará (32.789). O bom desempenho registrado em Minas Gerais foi puxado pelos setores da construção civil (25.248), indústria (12.763) e agropecuária (2.693).

Depois de uma queda acentuada nas ofertas de emprego, sobretudo nos meses de abril e maio devido à pandemia, Minas Gerais voltou a ter saldos positivos de julho a novembro, principalmente após a adoção do.
Em uma análise por setor no desempenho de dezembro do ano passado, comércio e serviços foram as áreas responsáveis pelos melhores resultados, com geração de 7.356 e 769 vagas de emprego e admissões, respectivamente.

Segundo a diretora de Monitoramento e Articulação de Oportunidades de Trabalho da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese), Amanda Carvalho, o cenário positivo pode se inverter neste início de ano, considerando os casos de contágio pelo novo coronavírus em muitos municípios mineiros, que tiveram de tornar mais rígidas as medidas de isolamento social.

Com o início da vacinação no Estado em janeiro e seu avanço ao longo do ano em todos os municípios mineiros, a Sedese espera que a retomada dos setores econômicos ocorra de forma crescente, trazendo para Minas Gerais um fechamento de 2021 com desempenho favorável na geração de postos de trabalho e ocupando as primeiras posições no ranking nacional de estados com melhores saldos”, enfatiza.


Veja na tabela abaixo o número de admissões, demissões e o saldo de empregos na região no mês dezembro de 2019: 

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO