Destaques Geral

Saae de Piumhi suspende captação no Araras após suspeita de contaminação

Por Laura Oliveira Hostalácio / Folha da Manhã com Onda Oeste FM

25 de março de 2021

PIUMHI – A captação de água do Ribeirão Araras, principal fonte de água em Piumhi, foi paralisada na manhã desta terça-feira, 23, por possível contaminação. Funcionários da estação de tratamento de água encontraram peixes mortos no ribeirão, que, segundo o diretor técnico do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Piumhi, Eduardo de Assis, é o primeiro alerta sobre a qualidade da água.


Você também pode gostar de: Pacheco assegura ampliação da frota de ambulâncias do Samu no Sul de Minas

Esse é o primeiro sinal que a gente que trabalha no meio percebe quando há algum problema na água”, disse o diretor.

De acordo com ele, assim que o problema foi constatado, o fornecimento foi paralisado e teve início a captação no Ribeirão Tabuões, que é utilizado como uma reserva.

Passamos a fornecer do Ribeirão Tabuões, que é uma outra fonte de água que nós temos e não foi afetada por isso, já que nasce em outra região”, disse Eduardo.

Segundo o diretor, o município acionou a Polícia Federal para investigar o caso.

Nós acionamos a Polícia Florestal, que nos apoiou prontamente na investigação. Juntamente com a química da estação de tratamento de água, eles percorreram toda a bacia do Araras acima da barragem, investigando onde poderia ter acontecido algum vazamento ou alguma contaminação”, afirma Eduardo.

Foram realizadas coletas de água para análise em laboratório, que poderão detectar algum tipo de material que seja proveniente ou tenha características de algum local no Araras. O diretor afirma ainda que o prazo estimado para o resultado das análises é de cinco dias.

O diretor pede que a população evite o uso da água do Ribeirão Araras para lazer, pelo menos enquanto as análises são feitas, e não descarta a possibilidade de contaminação proposital.

É lamentável isso acontecer, é frustrante para a gente que trabalha com a água, que trabalha aqui no Saae há tantos anos. Não sabemos se esse problema foi causado por alguém, se foi proposital ou não, mas é lamentável a gente ter ainda no meio de nós um ser humano que tenha coragem de fazer uma coisa dessas com a água que talvez ele mesmo use em sua casa”, afirma o diretor.