Destaques Esporte

Rodrigues descarta provocações do técnico Jorge Sampaoli

25 de junho de 2020

Divulgação (Agência Brasil)

BELO HORIZONTE – O ano de 2020 é marcado pelo contraste no futebol mineiro. O Cruzeiro jogará a Série B pela primeira vez na história e terá de se preocupar, principalmente, em manter os salários em dia, além de pagar dívidas na Fifa a fim de evitar novas punições esportivas.
Já o Atlético traçou o projeto de fazer frente a Flamengo e Palmeiras na briga por títulos, contando com o apoio financeiro de seus dois principais patrocinadores, o banco BMG e a construtora MRV, para investir em contratações solicitadas pelo técnico Jorge Sampaoli.

A movimentação do rival no mercado da bola não incomoda o presidente celeste, Sérgio Santos Rodrigues, que foca exclusivamente em sua gestão com o objetivo de recuperar a imagem do clube, manchada por escândalos de corrupção e gastos desenfreados na administração de Wagner Pires de Sá.

A pressão é zero, pois nosso trabalho é focado no Cruzeiro, não no Atlético. Eu preocupo com a torcida do Cruzeiro, não o que está sendo feito em outros clubes. Então, a gente foca na nossa gestão, no nosso modelo, no que precisa ser feito. Vamos prestar satisfação para nossa torcida. Raramente vão me ver falando do rival”, declarou o dirigente, em entrevista.

Sérgio Rodrigues tomou conhecimento das declarações de seu xará, Sérgio Sette Câmara, com relação ao risco que o Cruzeiro corre de ficar muito abaixo do Atlético se não conseguir resolver seus problemas rapidamente. Também, o presidente alvinegro citou como exemplos a supremacia do Bahia sobre o Vitória, e a do Flamengo em comparação a Vasco, Botafogo e Fluminense.

Não vejo esse risco, porque estou focado no Cruzeiro. Não faço gestão preocupado com o Atlético”, frisou o mandatário cruzeirense, mencionando, em seguida, o número de títulos importantes conquistados pelo clube.

“Até vi essas entrevistas [de Sette Câmara], mas métrica por métrica, nós temos 14 grandes títulos: seis Copas do Brasil, quatro Brasileiros, duas Supercopas e duas Libertadores [dos citados, o Atlético tem três – uma Libertadores, uma Copa do Brasil e um Brasileiro]. Não vejo como alguém deixar de gostar de um time da grandeza do Cruzeiro”, complementou.

Santos Rodrigues fez uma analogia ao nadador americano Michael Phelps, maior atleta olímpico de todos os tempos, dono de 23 medalhas de ouro, três de prata e duas de bronze nos Jogos de Atenas’2004, Pequim’2008, Londres’2012 e Rio’2016. Segundo o presidente, o Cruzeiro precisa fazer o mesmo que Phelps: sempre olhar para frente, sem se preocupar com quem está ao lado.

A gestão que a gente faz é essa. Tenho uma imagem que uso nas minhas aulas de gestão esportiva que é muito marcante. Mostra o Phelps nadando olhando para frente e o concorrente olhando para o Phelps. A gente não faz gestão olhando para o lado, e sim para frente. Tenho certeza de que vamos fazer boa gestão e retomar o Cruzeiro para um caminho de vitórias e credibilidade”.

Sérgio Rodrigues não se mostra preocupado com possível sucesso do rival. / Foto: Divulgação