Destaques Esporte

Rio de Janeiro é único estado a ter previsão de jogos com público

1 de julho de 2020

Estádio vazio do Maracanã. a previsão da CBF para início do Brasileiro é dia 9 de agosto, mesma semana em que deve haver a volta da Copa do Brasil. / Foto: Divulgação

RIO DE JANEIRO – O Rio de Janeiro, hoje, é o único local do país com previsão de permissão de público – no caso, 1/3 da capacidade do estádio a partir de 10 de julho. Apenas seis países, entre os 50 melhores ranqueados pela Fifa, permitiram acesso de público.

Para tal, um documento de 24 páginas, chamado “Medidas para o retorno das atividades esportivas – Futebol”, da Vigilância Sanitária da Prefeitura do Rio de Janeiro, quer moldar o retorno do público aos estádios na cidade. O texto, com as chamadas “regras de ouro”, prevê escalonamento de horários para chegada ao estádio já no ingresso vendido – com proibição de acesso caso o torcedor não cumpra o determinado -, orientação de torcedores para ocupação de assentos sinalizados nas arquibancadas e máscaras obrigatórias em todos locais.

O tema ainda gera discussão entre dirigentes, torcedores e chamou a atenção fora do país.
Em lados opostos no retorno ao futebol, os clubes grandes se dividem sobre abrir os portões aos torcedores. Botafogo e Fluminense já se anteciparam em dizer que não vão abrir estádios em seus jogos. O vice-presidente geral e jurídico do Flamengo, Rodrigo Dunshee de Abranches, se manifestou em entrevista ao jornal “O Dia” e disse que “o Flamengo não aprova e nem reprova. Flamengo cumpre lei”. O Vasco ainda não se manifestou sobre o assunto.

Se o Flamengo vencer o Boavista nesta quarta e conquistar a Taça Rio no dia 8, o Carioca acabará antes da liberação de público nos estádios. Se houver final da competição, os dois jogos poderiam ter arquibancadas abertas. No momento, a previsão da CBF para início do Brasileiro é dia 9 de agosto, mesma semana em que deve haver a volta da Copa do Brasil. A Libertadores e a Sul-Americana não têm previsão.

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e a Defensoria Pública pediram explicações à Prefeitura sobre o plano de retomada de diversas atividades na cidade. Entre elas, o futebol com portões abertos para 1/3 da capacidade do estádio.