Destaques Geral

Região tem saldo de 805 novos postos de trabalho em novembro

24 de dezembro de 2020

Foto: Divulgação (Agência Brasil)

PASSOS – O saldo do emprego na região cresceu 30% em novembro, em relação a outubro, e se tornou o melhor resultado do ano. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta quarta-feira pelo Ministério da Economia, foram gerados 805 novos postos de trabalho no mês passado, o que representa 185 vagas a mais que o resultado registrado em outubro. Entre os municípios da região, apenas Vargem Bonita, que teve uma admissão e três demissões, fechou novembro com balanço negativo no emprego com carteira assinada.

Passos, com saldo de 184 novos postos de trabalho, Itaú de Minas (113), São Sebastião do Paraíso (85), Claraval (45), Cássia (43), Piumhi (41), Capitólio (39) e Capetinga (38), tiveram os melhores desempenhos no mercado de trabalho formal em novembro. No mês de outubro, Paraíso, com saldo positivo de 166 novas vagas, e Passos (136), lideram a geração de empregos na região.

No balanço entre janeiro e novembro, o mercado regional registra saldo positivo no mercado de trabalho, com 1.478 novos postos gerados durante o período. Passos, com saldo de 576 novas vagas criadas nos 11 meses, lidera o ranking e é seguido por Guapé (319), Monte Santo de Minas (178), Ilicínea (106), São Roque de Minas (96) e São Sebastião do Paraíso (90). Os piores resultados em 2020 foram registrados em Capitólio, onde foram fechados 138 vagas, Claraval (-96), Ibiraci (-56), Pratápolis (-33), Bom Jesus da Penha (-8), Alpinópolis (-2) e São Tomás de Aquino (-1).


País

Pelo quinto mês consecutivo, o número de contratações com carteira assinada superou o de demissões no Brasil. Segundo dados do Caged divulgados nesta quarta-feira, o país criou 414.556 vagas de emprego em novembro. O número é o melhor da série histórica da pesquisa, iniciada em 1992.O saldo acumulado em 2020 ficou positivo pela primeira vez e chegou a 227.025 postos de trabalho criados ao longo do ano.

O desempenho no ano foi motivado especialmente pelo programa do governo que permitiu a suspensão de contratos de trabalho e a redução de salários e jornada, medida que, segundo especialistas, evitou um número maior de demissões.

Ao avaliar os dados, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o fato dos setores de comércio e serviços, os mais atingidos pela pandemia, com 179.261 e 179.077 postos respectivamente, terem sido destaques na geração de emprego, significa o Brasil apresenta uma “retomada em V da economia”.

Como eu disse, o Brasil está surpreendendo o mundo. As reformas prosseguiram, em ritmo mais lento, mas seguem acontecendo, e a economia brasileira voltou em V, como poucos acreditavam. Em vez da destruição de 1,5 milhão de empregos, como na recessão de 2015, da destruição de 1,3 milhão em 2016, nós já estamos, antes de chegarem os dados de dezembro, com 227 mil empregos criados”, destacou.