Destaques Geral

Região abre 4,9 mil empresas entre janeiro e setembro

Por Nathália Araújo / Redação

20 de outubro de 2020

Foram abertos 4.906 novos negócios, enquanto 2.084 encerraram suas atividades. / Foto: Divulgação

PASSOS – Das 41.171 empresas ativas nos 25 municípios da região, 11,9% foram abertas de janeiro a setembro deste ano. De acordo com o boletim do Mapa das Empresas, criado pelo governo federal, o saldo do período é positivo, já que foram abertos 4.906 novos negócios, enquanto 2.084 encerraram suas atividades. Em razão dos efeitos negativos que a pandemia do novo coronavírus causou no comércio local, o aumento na quantidade de firmas abertas começou a ser expressivo a partir de junho.

O levantamento mostra que Delfinópolis foi a cidade com o maior percentual de empresas abertas neste ano na região: 14,8% do total, seguida por São Roque de Minas e Vargem Bonita (ambas com 14,2%), São José da Barra (13,5%) e Monte Santo de Minas (13,2%). Com resultados acima de 12%, ficaram Passos, Piumhi, Pratápolis, São João Batista do Glória e São Sebastião do Paraíso. Os menores índices foram registrados em Capetinga e São Tomás de Aquino – 6,5% e 8,9%, respectivamente.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Contabilistas de Passos e região (SindCont), Antônio de Pádua Cardoso, grande parte das instituições que fecharam as portas sob a justificativa de queda na demanda em razão da covid-19 já apresentava diversos problemas relacionados à receita e à gestão da firma. Os empreendimentos que registraram as quedas mais significativas foram os que dependem de público, como salões de festas, produtoras de eventos e locadoras de estruturas para cerimônias em geral.

Os microempreendedores também tiveram inúmeros prejuízos e muitos precisaram parar. Agora, chegamos ao momento em que o comércio está retomando suas forças e isso pode ser justificado pelas estratégias dos empresários, que chegam a ser exemplos de instinto de sobrevivência, posto que todos visam manter as contas em dia e melhorar o padrão do estilo de vida. Além disso, sabemos que o auxílio emergencial está próximo do fim e, deste modo, podemos ver que os trabalhadores informais estão cada mais ativos, buscando estruturar suas fontes de renda”, disse Cardoso.

A pandemia fez com que Ellen Santos de Paula encontrasse uma oportunidade para investir em um negócio e, assim, ela criou uma empresa especializada em artes e produção gráfica.

Com a popularização das vendas por delivery, notei que as pessoas passaram a procurar por identidades visuais para suas embalagens e cartões de visita. Dispensers personalizados para álcool em gel também se tornaram comuns e, como sempre tive interesse pela área de design, decidi trabalhar a ideia. É claro que tudo acontece aos poucos, mas, graças a Deus, a procura está boa e já tenho clientes em vários municípios da região. A meta agora é continuar focada para aumentar a quantidade de trabalhos”, contou a nova empreendedora.

O Mapa das Empresas é uma plataforma habilitada para acompanhar o fluxo de abertura e fechamento de empreendimentos no Brasil. Em âmbito nacional, a maior parte dos novos investimentos são do ramo de vestuário e acessórios, serviços de estética e beleza e fornecimento de alimentos para consumo em casa. Atualmente, conforme o sistema, o tempo médio para a regularização um novo negócio é de dois dias e 21 horas – há redução de um dia na comparação com o ano passado.