Destaques Variedades

Raul Talles faz painel em grafite no Palácio da Cultura

Por Adriana Dias / Da Redação

20 de agosto de 2020

O painel de 5 metros de altura por 6,5 de largura grafitado por Raul Talles é uma representação de congadeiros com a Capelinha Centenária da Penha. / Foto: Divulgação

O artista passense Raul Talles, 39 anos, atua há 25 anos como grafiteiro e deixou sua marca registrada para sempre na parede de uma das salas do Palácio da Cultura. Isso mesmo, eternizada, pois o espaço foi recentemente tombado pelo Patrimônio Histórico o que significa que não pode ser modificada. E, no painel, uma imagem bastante representativa da cultura local: congadeiros e a também tombada Capelinha Centenária da Penha. A obra foi um pedido do atual secretário de Cultura, Carlos Jorge Ribeiro, ao artista que viu sua arte nascer quando se mudou de Sertãozinho/SP para Passos. Talles conta que o grafite está em sua vida há muitos anos.

Eu sou de Passos, porém, moramos boa parte da minha vida em Sertãozinho, e, quando eu estava com 16 anos meus pais se separaram e viemos para Passos. Me recordo como se fosse hoje, que, ao passarmos, no caminhão de mudança, em frente à Rodoviária de Ribeirão Preto, vi um homem fazendo uma pintura na parede. Sequer sabia o nome daquela arte. E tive a nítida sensação que era isso o que queria para minha vida como profissão, e sou”, afirmou Talles.

Ainda conforme o artista, ao chegar em Passos ele conheceu um pintor que o auxiliou mostrando, inclusive como funcionava um compressor.

Ele acreditou em mim e me incentivou. Foi assim que tudo começou. E, hoje, faço a minha arte em várias cidades, estados e até para outros países. Tenho obras em Portugal, algumas freiras que, a pedido da irmã Natividade, do Colégio Imaculada Conceição, teria enviado a Portugal”, acrescentou.

Sobre a tela do Palácio da Cultura, Talles conta que tem 5 metros de altura por 6,5 metros de largura. Ele levou 5 dias para realizar o trabalho tendo se dedicado durante 8 horas por dia, com uso de escada e andaime.

A foto foi uma sugestão retirada da internet, de uso permitido e, claro, inserimos a Capelinha da Penha, dando os toques pessoais que dou sempre. As roupas foram grafitadas nas cores variadas de ternos de Congo de Passos. Inicialmente eu faço um traço na parede para ver a profundidade e depois uso o compressor para pintar, utilizando 5 cores, sendo 3 primárias e duas neutras que delas faço um leque de incontáveis cores. Foi prazeroso ver o resultado com a expressão dos rostos dos congadeiros e, claro, a imagem da Capelinha”, disse Talles, que desenha desde os cinco anos de idade.

Profissionalmente, Talles faz grafite em 3D, surreal, artes simples e retratos de pessoas, quer seja em ambientes internos ou externos. “Faço muito trabalho em quartos de criança, escolas, empresas. Além da pintura no grafite – a arte que se faz com spray ou revólver de pintura -, se colocar o pincel passa a ser pintura”, diz o artista que trabalha sozinho.

Questionado sobre a quantidade de obras, o artista afirmou ser impossível saber o número, mas que tem algumas que marcaram sua história como profissional e, certamente esta do Palácio da Cultura vai ficar, literalmente, para a história da cidade de Passos.

Já fiz fotos de deputados, de ministros e, nestes 25 anos de profissão, muita coisa legal, até mesmo túmulo grafitado. Tenho entrado em vários locais. Já fiz trabalhos para 3 gerações: para a filha, a mãe e a avó, desenhos distintos e na mesma casa. Tem clientes de 25 anos atrás que me procuram e se eu tiver a agenda cheia, eles preferem me aguardar. Mas, um dos ícones pra mim em Passos ficou gravado foi um trabalho para a Paixão ao Vivo, a pedido do saudoso Gustavo José Lemos, que foi o Dedo de Deus, da obra ‘A Criação de Adão’, de Michelangelo na Capela Sistina”, finalizou Talles.