Destaques Do Leitor

Quanto inconformismo e pessimismo!

4 de dezembro de 2020

Não sei como muitas pessoas no nosso Brasil conseguiram sobreviver até hoje, pois, querem tudo perfeito. São negativistas. Criticam tudo, veem a história do Brasil, desde a sua descoberta, de forma totalmente derrotista como se nada de bom tivesse sido feito. Como todo país do mundo, o nosso, desde o seu início, teve altos e baixos.

Mais baixos que altos? Será? Para os derrotistas de plantão, sim! Dá a impressão que eles acham que vivemos na idade da pedra lascada. Só sabem criticar, só enxergam defeitos em tudo. Para eles, todos nós somos ignorantes e incompetentes. Quanta amargura! Será que essa gente não pensa na própria saúde, de tanto se remoer por dentro? Ou é dor de cotovelo mesmo?

Temos tudo no Brasil! O que falta para nós? Falta patriotismo ou caráter para muita gente? Mas, o mundo sempre foi assim, com gente boa e gente ruim. Sempre existiu um grupo querendo dominar outro grupo. Se estamos do lado do bem, que façamos a nossa parte! Enxergar tudo cinzento? Não! Há quem afirme que não existe governo, pois, não vê o que já foi e está sendo feito no país, mesmo com todos os ataques e perseguições.

O mais interessante é ver pessoas que se dizem estudadas e outras mais, entendendo de tudo e fazendo suas críticas. São “doutores”, conhecem tudo! Quanto aos inflexíveis esquerdistas, sejam eles quem forem, não briguemos com eles. Eles querem continuar no Brasil, nenhum deles pretende mudar-se para um “maravilhoso” país comunista, pois, não desejam ser escravos. Mas, querem que “nosotros” sejamos! Direito deles? Bem, ingenuidade nossa se aceitarmos!

Prof. Luiz Guilherme Winther de Castro – Carmo do Rio Claro – MG


Assalto em criciúma

O impressionante assalto ao Banco do Brasil em Criciúma, Santa Catarina, exige das autoridades federais uma séria e profunda investigação para prender tais criminosos. As suspeitas de que tais marginais sejam de uma quadrilha nacional de milicianos reforça o uso das Forças Armadas, no sentido de pôr um basta na expansão destes quadrilheiros, que podem ter líderes escondidos em setores governamentais nacionais e estaduais.

José de A. Nobre de Almeida – Rio de Janeiro/RJ