Destaques Dia a Dia

Provérbio português

POR LUIZ GUILHERME WINTHER DE CASTRO

10 de agosto de 2020

Mais um provérbio colhido por Frei Clarêncio Neotti, OFM, “Águas passadas não movem moinho” – Ao pé da letra, é claro que as águas que já passaram pelo moinho rolaram para longe. Assim, também é a nossa vida. O que passou, passou! Só que, como seres humanos racionais e pensantes, estamos sempre a lembrar do passado.

Lembramos não só daquilo que de bom aconteceu, mas, também dos acontecimentos desagradáveis, dos erros pequenos ou não e dos nossos pecados. No caso dos pecados, vale para quem é cristão, para quem segue ou deveria seguir os ensinamentos de Jesus Cristo e aquilo que Sua Igreja ensina. Não sendo cristão, será a consciência de cada um que irá julgar o certo ou o errado. Há pessoas que demonstram não ter consciência ou fingir que não têm. Bem, deixemos pra lá!

Diz o frei: “Por trás do provérbio se esconde uma sabedoria terapêutica, tantas vezes necessária.” – Eu acredito que o termo “terapêutica” signifique que a própria pessoa, ao fazer autoanálise pensando nos acontecimentos do passado, dos acertos e dos erros, tenha a oportunidade de procurar explicações para as atitudes tomadas na época. Não significa procurar desculpas esfarrapadas para os erros e nem vangloriar-se demais pelos acertos. Simplesmente, poder fazer uma “terapia”, para que possa continuar vivendo de uma forma cada vez melhor.

“Há gente que sofre hoje coisas erradas que fez no passado.” – Pois bem! Por maior que tenha sido o erro, muitas vezes praticado ainda na juventude, quando ainda falta experiência real de vida, a ingenuidade se sobrepõe sobre a razão e inteligência, de nada adiantará ficar remoendo o erro do passado. Se a pessoa é cristã e acredita no perdão concedido por Deus, que aja na forma como ensina a sua Igreja. Se não for, que se arrependa lá no íntimo de sua consciência e procure sepultar o passado.

É claro que jamais esquecerá o que aconteceu, mas, de nada adiantará ficar se martirizando tendo que tocar a vida. Arrependeu-se, acabou, vida nova, apesar dos pesares! Lembranças existirão. A nossa consciência é o nosso maior algoz.

“Frei Clarêncio Neotti diz ainda:

Há gente que se preocupa hoje com o que não pôde fazer na juventude. É verdade que as raízes do hoje estão plantadas no passado. Mas, é errado ficar chorando o leite derramado.” –

Uma situação com a qual é preciso aprender a lidar. Se a juventude já passou, não foram aproveitadas as oportunidades e ainda inúmeros erros foram cometidos, não adianta ficar lamentando hoje. A vida será hoje o que se plantou no passado, mas, não significa que nada possa ser mudado. O que se perdeu, já era, já foi, que sirva de lição, como dizem. É preciso levantar-se, sacudir a poeira e dar a volta por cima, assim diz a famosa música de Paulo Vanzolini. Os erros não se apagarão, mas, existirão ainda os horizontes pela frente!

Precisamos do hoje para moer nossa farinha hoje. Precisamos das águas que passam agora para tocar nosso moinho. As que passaram jamais movimentarão a grande roda da vida. Preciso viver o meu hoje e no meu hoje fabricar a minha farinha, ou seja, fazer as boas obras.” –

É isso mesmo! O passado só pode voltar nas lembranças da gente, na nossa mente, sejam elas ruins ou boas. Mas, os fatos reais demonstram apenas o presente, o passado ficou para trás, não volta mais. Poderá até um acontecimento do passado repetir-se no presente, mas, será exatamente igual, nas mesmas circunstâncias?

O passado serve de exemplo e experiência, o importante é o presente, que, se bem vivido, bem aproveitado, estará lançando as sementes de um futuro promissor. Mesmo assim, acontecimentos inesperados, fora do contexto da vida, poderão alterar em parte ou no todo o futuro que almejamos e sonhamos com as sementes que plantamos. Pensemos nisso!

Nosso frei informa que Jesus Cristo disse a mesma coisa com a frase : “Deixem os mortos enterrar seus mortos (Lc 9,60).” – Jesus Cristo, segundo o frei, poderia ter dito: “Você faz muito bem querer sepultar o pai, é uma grave obrigação sua, mas eu lhe estou propondo coisa mais importante e mais sagrada… entrar no Reino de Deus é o dever maior.”

LUIZ GUILHERME WINTHER DE CASTRO professor de oratória e de técnica vocal para fala e canto em Carmo do Rio Claro/MG – Ex-professor do ensino técnico comercial – formado no curso Normal Superior pela Unipac.