Destaques Do Leitor

Proporções

15 de junho de 2020

Recentemente li nas redes sociais que o Brasil tinha alcançado o número de mortes pela covid-19 correspondente à população de Piumhi (MG). Considero a informação não-oficial como uma simples comparação e sem fundamento. É como se o nosso país não tivesse mais jeito e a maior parte população vai morrer como vítima do coronavírus.

É bom lembrar que moramos num Brasil considerado continental e classificado como do terceiro mundo (democracia frágil, capitalista e agrícola ou semi-industrializado). Se o leitor comparar os país que sofreram ou ainda sofrem com a pandemia é só comparar os números: China (1,4 mi), Índia (1,3 mi), Estados Unidos (329 mi), Brasil (211 mi), Alemanha (83 mi), França (65 mi), Itália (60 mi), Espanha (46 mi), Países Baixos (17 mil), Portugal e Suécia (10 mi cada).

Então leitores, baseado no poder econômico, cultural, educacional, social, político e localização no planeta terra, tirem suas conclusões proporcionais quanto ao número de óbitos já causado pelo coronavírus em cada país citado acima e sua respectiva população. Pela lógica, quanto maior o país, maior poderá ser o número de mortos pela covid-19. Nos Estados Unidos da América são mais de 116 mil. No Brasil, ultrapassa 42 mil.

Ézio Santos – Passos/MG

Sem preconceito

O presidente da Fundação Palmares, criada para dar apoio aos brasileiros negros, num momento em que são feitas manifestações nos Estados Unidos e em vários países contra o assassinato de um negro por um policial branco, tem o desplante de declarar que a raça negra é composta por vagabundos e é escória da sociedade. Seja qual for a raça desse integrante do governo Bolsonaro, ele precisa ter um comportamento adequado e não apenas em relação ao cargo, mas como ser humano. É inadmissível esse procedimento.

Uriel Villas Boas – Santos/SP