Destaques Geral

Produtores de mel de Cássia e Jacuí integram programa ATeG

4 de junho de 2021

além de organizar a cadeia produtiva do mel, o programa possui outras propostas para o desenvolvimento regional :/ Reprodução

CÁSSIA – Apicultores de Cássia e Jacuí são os novos integrantes do primeiro programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) apicultura da regional do Sistema Faemg/Senar/Inaes em Passos. O técnico do programa, Venilton Bispo de Oliveira, já iniciou as primeiras visitas e segue conhecendo os produtores e as condições de produção de cada apiário.

A mobilização dos produtores ficou a cargo do Sindicato Rural de Cássia, que reuniu 30 produtores. Segundo o presidente do órgão, Domingos Inácio Salgado, além de organizar a cadeia produtiva do mel, o programa tem muitas outras propostas para o desenvolvimento regional.

“Organizados pelo ATeG, os produtores poderão ter um bom resultado financeiro com a atividade e uma segunda fonte de renda. Nossos interesses também recaem sobre a polinização do meio ambiente com as caixas de abelhas no campo”, disse.

Domingos ainda ressalta a importância do segmento para a projeção de crescimento do turismo religioso no município, com a construção do maior santuário de Santa Rita de Cássia no mundo.

“O santuário vai gerar a visitação de muitos fiéis e nós já pensamos em como ofertar produtos de qualidade para os nossos visitantes”, afirma.

Com a ampliação da produção de mel, Domingos aponta que os apicultores podem conquistar o mercado internacional.

“Nós temos capacidade para produzir e competir. Vamos aguardar o resultado dos trabalhos”, disse.

A apicultora Alexandra Rocha, de Cássia, está animada e ansiosa para a implementação das ações do programa no seu apiário. Ela e o pai, José Plínio, produzem, por ano, duas toneladas de mel, mas querem aumentar a produção.

“Estou muito ansiosa e feliz com o ATeG. É a ajuda que precisava. Pretendo trabalhar muito junto com o técnico”.

Alexandra ressalta que o processo de produção do pai, que aprendeu sem técnicas, é mais difícil e que ela vai fazer a transição entre os dois estilos de produção, o que não é uma tarefa fácil. Ela também destaca a falta de mão de obra e o seu interesse em capacitar pessoas para essa atividade.

Santuário

O novo santuário de Cássia, com projeção de inauguração para 2022, tem capacidade para 7 mil fiéis, sendo 5 mil sentados e 2 mil em pé. A infraestrutura também inclui estacionamento, restaurante e centro comercial.